Mercado fechado
  • BOVESPA

    116.464,06
    -916,43 (-0,78%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    45.053,56
    -72,95 (-0,16%)
     
  • PETROLEO CRU

    52,77
    +0,16 (+0,30%)
     
  • OURO

    1.847,70
    -3,20 (-0,17%)
     
  • BTC-USD

    32.354,85
    +199,96 (+0,62%)
     
  • CMC Crypto 200

    653,07
    +5,74 (+0,89%)
     
  • S&P500

    3.849,62
    -5,74 (-0,15%)
     
  • DOW JONES

    30.937,04
    -22,96 (-0,07%)
     
  • FTSE

    6.654,01
    +15,16 (+0,23%)
     
  • HANG SENG

    29.391,26
    -767,75 (-2,55%)
     
  • NIKKEI

    28.713,97
    +167,79 (+0,59%)
     
  • NASDAQ

    13.552,25
    +66,75 (+0,49%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,5129
    +0,0021 (+0,03%)
     

Com dificuldades para concretizar Aliança pelo Brasil, Bolsonaro cogita se filiar a outro partido para 2022

Redação Notícias
·1 minuto de leitura
O presidente Jair Bolsonaro participa de evento do partido Aliança pelo Brasil
O presidente Jair Bolsonaro participa de evento do partido Aliança pelo Brasil (Foto: Agência Brasil)

O presidente Jair Bolsonaro (sem partido) pode migrar para um partido que já existe nas eleições de 2022. Ao contrário do esperado pela família do presidente, que ainda mantém o projeto de criar o Aliança pelo Brasil após rompimento com o PSL, as dificuldades de concretizar o novo projeto político abre a possibilidade para o próximo pleito.

De acordo com o R7, um dos articuladores do grupo responsável pela criação do novo partido explica que conforme o tempo passa, mais o "Plano B vai virando Plano A". Ou seja, há chance da família migrar para um partido já existente para as eleições de 2022, quando o presidente deve disputar a reeleição.

Leia também

Entre os partidos que buscam trazer o nome dos Bolsonaro estão o Patriotas, o PTB, e o PSL, que já falaram com interlocutores do presidente, segundo jornal. Além disso, há chances para o Republicanos, PRTB e até o Democracia Cristã.

Bolsonaro não está filiado a nenhum partido desde novembro de 2019, quando se desfiliou do PSL. Seus filhos Carlos, reeleito vereador no Rio, e Flávio, senador, se filiaram ao Republicanos. Eduardo é o único que permanece no PSL.