Mercado fechado
  • BOVESPA

    117.669,90
    -643,33 (-0,54%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    47.627,67
    -560,48 (-1,16%)
     
  • PETROLEO CRU

    59,34
    -0,26 (-0,44%)
     
  • OURO

    1.744,10
    -14,10 (-0,80%)
     
  • BTC-USD

    59.923,52
    +1.663,86 (+2,86%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.235,89
    +8,34 (+0,68%)
     
  • S&P500

    4.128,80
    +31,63 (+0,77%)
     
  • DOW JONES

    33.800,60
    +297,03 (+0,89%)
     
  • FTSE

    6.915,75
    -26,47 (-0,38%)
     
  • HANG SENG

    28.698,80
    -309,27 (-1,07%)
     
  • NIKKEI

    29.768,06
    +59,08 (+0,20%)
     
  • NASDAQ

    13.811,00
    +63,25 (+0,46%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,7625
    +0,1276 (+1,92%)
     

Com decretos armamentistas de Bolsonaro, lucro da Taurus cresce 507%

Redação Finanças
·3 minuto de leitura
LAS VEGAS, NV - JANUARY 18:  Handguns are displayed at the Taurus International Firearms booth at the National Shooting Sports Foundation's 33rd annual Shooting, Hunting and Outdoor Trade (SHOT) Show at the Sands Expo and Convention Center January 18, 2011 in Las Vegas, Nevada. The shooting rampage in Tucson, Arizona on January 8 that killed six people and injured 13 people, including U.S. Rep. Gabrielle Giffords (D-AZ), has sparked debate about gun laws in the media and Congress.  (Photo by Ethan Miller/Getty Images)
Feira da Taurus em Las Vegas (Foto: Reuters)
  • Somente no quarto trimestre de 2020, a Taurus lucrou 279,5 milhões

  • Bolsonaro alterou quatro decretos federais com o objetivo de ampliar o acesso a armas

  • Edson Fachin, do STF, já votou pela inconstitucionalidade dos decretos

A Taurus, fabricante brasileira de armas de fogo, registrou um lucro líquido de R$ 263,6 milhões em 2020, uma alta de de 507% frente ao desempenho de 2019, quando a fabricante havia somado R$ 43,4 milhões. Esse resultado é influenciado por decretos do presidente Jair Bolsonaro (sem partido) que, desde 2019, tem flexibilizado a posse de armas.

Em junho de 2019 Bolsonaro modificou um decreto de 2004, que regulamentava o Estatuto do Desarmamento. Entre as mudanças, está o direito à compra de até 50 cartuchos por ano que passou para até mil cartuchos por ano e a permissão para o proprietário rural com posse de arma de fogo utilizar a arma em todo o perímetro da propriedade.

Leia também:

As medidas foram celebradas por apoiadores de Bolsonaro e por figuras da indústria armamentista. Em 2020, o número de novos registros de armas de fogo nas mãos de civis no Brasil aumentou 90%. A Polícia Federal autorizou o registro de 179.771 novas armas de fogo em 2020, um aumento de mais de 91% em relação a 2019.

Somente no quarto trimestre de 2020, a Taurus lucrou 279,5 milhões, ante R$ 22,1 milhões um ano antes. A receita líquida da Taurus cresceu tanto no intervalo de outubro a dezembro quanto no acumulado de 2020, somando R$ 560,3 milhões e R$ 1,773 bilhão, respectivamente.

“Os indicadores operacionais atingiram níveis sem precedentes para a Taurus e a questão do endividamento, que era um aspecto sensível, foi plenamente equalizada, com a razão de alavancagem dívida líquida/Ebitda saindo de 11,2 em 2018 para 1,7 ao final de 2020”, disse a companhia em um comunicado.

Novos decretos

Neste ano, Bolsonaro alterou quatro decretos federais com o objetivo de desburocratizar e ampliar o acesso a armas de fogo e munições no país. A medida autorizou atiradores possam adquirir até 60 armas e caçadores, até 30. 

A quantidade de munições que podem ser adquiridas por essas categorias também mudou, que passam a ser 2 mil para armas de uso restrito e 5 mil para armas de uso permitido. 

A visitor photographs a Brazilian-made Taurus Raging Bull .454 Casull caliber revolver on display at the Brazilian IMBEL stand during the second day of the LADD Defence and Security 2015 International Exhibition, the largest and most important in Latin America, with the participation of exhibitors from around the world, in Rio de Janeiro, Brazil, on April 15, 2015.  AFP PHOTO/VANDERLEI ALMEIDA        (Photo credit should read VANDERLEI ALMEIDA/AFP via Getty Images)
A quantidade de munições que podem ser adquiridas por essas categorias também mudou

Outra mudança foi permitir que profissionais com direito a porte de armas, como Forças Armadas, polícias e membros da magistratura e do Ministério Público, possam adquirir até seis armas de uso restrito. Antes, esse limite era de quatro armas. 

As novas medidas, entretanto, foram parar no STF (Supremo Tribunal Federal). Em julgamento que se iniciou no último dia 12, o ministro Edson Fachin votou pela inconstitucionalidade de decretos.

Os ministros analisam uma ação apresentada pelo PSB que questiona os decretos de Bolsonaro. O julgamento foi suspenso pela ministra Rosa Weber e não há data para a retomada.