Mercado fechado
  • BOVESPA

    121.800,79
    -3.874,54 (-3,08%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.868,32
    -766,28 (-1,48%)
     
  • PETROLEO CRU

    73,81
    +0,19 (+0,26%)
     
  • OURO

    1.812,50
    -18,70 (-1,02%)
     
  • BTC-USD

    41.678,92
    +1.981,30 (+4,99%)
     
  • CMC Crypto 200

    955,03
    +5,13 (+0,54%)
     
  • S&P500

    4.395,26
    -23,89 (-0,54%)
     
  • DOW JONES

    34.935,47
    -149,06 (-0,42%)
     
  • FTSE

    7.032,30
    -46,12 (-0,65%)
     
  • HANG SENG

    25.961,03
    -354,29 (-1,35%)
     
  • NIKKEI

    27.283,59
    -498,83 (-1,80%)
     
  • NASDAQ

    14.966,50
    -71,25 (-0,47%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,1880
    +0,1475 (+2,44%)
     

Com dark stores, startup quer fazer entregas em até 15 minutos

·3 minuto de leitura

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - A corrida para entregar produtos na casa do cliente cada vez mais rápido deve ser acelerada com a expansão das dark stores, pequenos centros para abastecer serviços de comércio eletrônico espalhados nas cidades.

Lançada no início do ano, a startup Daki possui dez desses espaços em São Paulo e espera chegar a cem ainda em 2021, incluindo uma expansão para o Rio de Janeiro. A companhia promete fazer entregas em, no máximo, 15 minutos.

O serviço também é uma aposta do aplicativo de entregas colombiano Rappi. A startup diz contar com 34 lojas no formato nas cidades de São Paulo e Rio de Janeiro e quer fechar o ano com 150 unidades. A meta é fazer entregas em até dez minutos para consumidores que usarem a opção Turbo.

As dark stores das empresas armazenam bens de consumo comuns em supermercados. Dentro delas, profissionais das empresas percorrem os corredores do espaço para selecionar os produtos adquiridos e levá-los aos entregadores. O raio de atuação da loja considera a distância que é possível percorrer sem estourar a meta de agilidade.

A Rappi diz que a tecnologia que precisou ser desenvolvida para a dark store integra em tempo real o estoque dela com o que é apresentado ao usuário de seu aplicativo. Ela também direciona o profissional responsável por pegar o pedido na loja para que ache o produto rapidamente e consiga embalar o pedido em até três minutos.

Rafael Vasto, um dos fundadores da startup, diz que, em vez de usar a estratégia de marketplace comum no delivery por apps, em que o aplicativo conecta o consumidor a lojas de terceiros, a Daki monta os espaços e cuida do abastecimento deles para dar mais velocidade à operação.

Entre os problemas do marketplace, segundo Vasto, estão a dificuldade de ter acesso aos estoques dos supermercados onde as compras são feitas. Com isso, perde-se tempo e muitas vezes o entregador precisa entrar em contato com o cliente para providenciar uma substituição.

"Há muita ineficiência enquanto o cliente espera uma solução rápida", diz.

As dark stores da Daki contam com cerca de mil produtos diferentes, volume muito menor do que o de um mercado, dizem os sócios da empresa. A Rappi afirma que, ao todo, suas dark stores têm 1.500 itens. A busca é por portifólio enxuto, mas muito bem acurado.

Alex Bretzner, também fundador da companhia, diz que a ideia é ter poucos produtos, mas selecioná-los bem, de acordo com o comportamento de compra identificado em cada região pela startup. Para a companhia, faz mais sentido ter duas marcas de molho de tomate que saem mais do que oferecer muita variedade e perder eficiência, afirma.

Apesar de jovem, a Daki possui um sócio internacional, a startup Jokr, que tenta desenvolver o mesmo mercado nos Estados Unidos, na América Latina e na Europa.

A companhia foi criada pelo alemão Ralf Wenzel, que fundou e vendeu o aplicativo de delivery foodpanda para o concorrente Delivery Hero. Assim como o Rappi, a Jokr tem o conglomerado japonês Softbank como um dos investidores.

A Daki não informa qual a participação societária da Jokr em seu capital. Vasto diz que, com o mercado de startups aquecido, decisões que antes os empresários demoravam anos para ter de tomar agora são necessárias mais cedo.

Se a companhia, hoje com cem funcionários, conseguir cumprir a meta de crescer quase dez vezes neste ano em número de unidades, será a segunda experiência de avanço acelerado de seu trio de fundadores.

Antes de iniciar a startup, eles foram responsáveis por trazer para o Brasil a startup indiana Oyo Hotéis, outro empreendimento investido pelo Softbank. O grupo contratou 1.200 pessoas em 2019 e, no ano seguinte, desmontou a operação, atingida em cheio pela pandemia da Covid-19, conta Vasto.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos