Mercado abrirá em 8 h 11 min
  • BOVESPA

    128.405,35
    +348,35 (+0,27%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.319,57
    +116,77 (+0,23%)
     
  • PETROLEO CRU

    71,89
    +0,25 (+0,35%)
     
  • OURO

    1.773,40
    +4,40 (+0,25%)
     
  • BTC-USD

    33.988,17
    -1.787,52 (-5,00%)
     
  • CMC Crypto 200

    840,70
    -99,25 (-10,56%)
     
  • S&P500

    4.166,45
    -55,41 (-1,31%)
     
  • DOW JONES

    33.290,08
    -533,32 (-1,58%)
     
  • FTSE

    7.017,47
    -135,96 (-1,90%)
     
  • HANG SENG

    28.413,42
    -387,85 (-1,35%)
     
  • NIKKEI

    27.911,03
    -1.053,05 (-3,64%)
     
  • NASDAQ

    13.994,25
    -40,75 (-0,29%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,0028
    -0,0333 (-0,55%)
     

Com crise hídrica, governo reforça campanha sobre consumo consciente de energia

·3 minuto de leitura
Linhas de transmissão de energia elétrica em Brasília

SÃO PAULO (Reuters) - O governo do presidente Jair Bolsonaro reforçou nos últimos dias uma campanha que pede "consumo consciente" de energia e água aos brasileiros, em movimento que ocorre diante de uma escassez histórica de chuvas que tem pressionado os reservatórios das hidrelétricas, principal fonte de geração do país.

Tanto o Ministério de Minas e Energia quanto a Casa Civil da Presidência da República divulgaram materiais publicitários sobre a iniciativa em suas redes sociais nesta sexta-feira, enquanto a Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) também passou a fazer divulgações recorrentes sobre o tema em seus canais online.

"O Brasil enfrenta o pior período de seca dos últimos 91 anos, principalmente nas regiões Sudeste e Centro-Oeste. Com isso, os reservatórios das usinas hidrelétricas estão em níveis baixos. Assim, mesmo com o fornecimento de energia garantido, devemos evitar o desperdício", escreveu a pasta de Energia em notícia publicada em seu site.

O chefe do ministério, Bento Albuquerque, tem defendido que o governo não vê riscos de déficit de energia ou de racionamento. Mas ele admitiu que a falta de chuvas exigirá "medidas excepcionais" para atendimento à demanda, incluindo o acionamento de usinas termelétricas, mais caras, e medidas para flexibilizar condições operativas de algumas usinas hídricas.

Em meio à situação de alerta, equipes da pasta de Minas e Energia participaram na terça-feira de uma reunião no Palácio do Planalto para discutir a "conjuntura hidroenergética" com representantes da Casa Civil da Presidência da República.

Questionado sobre a campanha de consumo consciente divulgada em seu site e a reunião com a Casa Civil, o ministério disse em nota apenas que a iniciativa de mídia sobre racionalização de consumo de energia e água teve início em dezembro de 2020 e segue em curso, "tendo em vista a conjuntura hídrica e energética".

"O objetivo da campanha é conscientizar a população acerca do baixo nível dos reservatórios e, consequentemente, incentivar a economia do consumo de água e energia, por meio de dicas práticas e fáceis de serem implementadas em qualquer residência doméstica. A campanha contempla inserções em nível nacional, em cadeia de TV, rádio e mídia, além de aeroportos, pontos de ônibus e internet", explicou.

Antes das últimas medidas, a mais recente campanha incentivando consumo consciente de eletricidade havia sido lançada pela Aneel no final de 2017, quando os lagos das hidrelétricas do Nordeste e do Sudeste tocaram níveis mínimos históricos para a época do ano.

No governo federal, a última iniciativa nesse sentido foi lançada em 2015, ano em que também houve aperto na oferta de energia, com a campanha "Uso consciente de energia- use o bom senso".

As novas preocupações com a oferta de energia no Brasil ocorrem 20 anos depois de o país ter enfrentado um histórico racionamento de eletricidade.

A consultoria especializada PSR disse neste mês que não vê por ora risco de falta de energia ou racionamento, mas pontuou que a situação é "preocupante" e sugeriu que o governo tomasse medidas para incentivar a população a reduzir o consumo.

Em paralelo, o Ministério de Minas e Energia iniciou conversas com representantes da indústria para avaliar um possível plano que incentive o setor a reduzir voluntariamente sua demanda durante momentos de pico de carga.

(Por Luciano Costa; edição de Nayara Figueiredo)

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos