Mercado fechado
  • BOVESPA

    112.764,26
    +3.046,32 (+2,78%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    48.853,37
    +392,82 (+0,81%)
     
  • PETROLEO CRU

    91,88
    -2,46 (-2,61%)
     
  • OURO

    1.818,90
    +11,70 (+0,65%)
     
  • BTC-USD

    24.484,86
    +294,77 (+1,22%)
     
  • CMC Crypto 200

    574,64
    +3,36 (+0,59%)
     
  • S&P500

    4.280,15
    +72,88 (+1,73%)
     
  • DOW JONES

    33.761,05
    +424,38 (+1,27%)
     
  • FTSE

    7.500,89
    +34,98 (+0,47%)
     
  • HANG SENG

    20.175,62
    +93,19 (+0,46%)
     
  • NIKKEI

    28.546,98
    +727,65 (+2,62%)
     
  • NASDAQ

    13.580,00
    +268,75 (+2,02%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,2024
    -0,1213 (-2,28%)
     

Com crise energética, países voltam a considerar usinas nucleares

Usinas nucleares podem servir de auxiliares para métodos mais populares de se obter energia, como solar e eólica
Usinas nucleares podem servir de auxiliares para métodos mais populares de se obter energia, como solar e eólica
  • Usinas nucleares podem servir de auxiliares para métodos mais populares de se obter energia;

  • Crise climática e energética fez com que países reconsiderassem políticas sobre energia nuclear;

  • Países europeus estão anunciando a abertura de novos reatores.

Desde 2011, com o acidente na usina nuclear de Fukushima, Japão, causado por um terremoto, a opinião pública se voltou contra a energia nuclear, com países como Japão e Alemanha anunciando o fechamento de algumas usinas.

Hoje, porém, com uma crise energética global acontecendo e com os efeitos das mudanças climáticas batendo à porta, governos ao redor do mundo estão reconsiderando suas políticas energéticas para incluir a construção de novos reatores.

Do ponto de vista prático, a energia nuclear é quase um requisito para se atingir uma matriz energética mundial limpa até 2050. Segundo a Administração Internacional de Energia, sem a ampliação das redes nucleares, alcançar a neutralidade de carbono até 2050 custará US$ 500 bilhões a mais, além de aumentar as contas de eletricidade do consumidor final em US$ 20 bilhões anualmente.

Por conta disso, especialistas concordam que os reatores nucleares podem servir como um auxiliar na hora de suprir necessidades energéticas em momentos de crise, como esvaziamento de reservatórios, ou em momentos em que as energias renováveis não são tão eficazes, como à noite ou quando o vento não está tão forte.

Países que já retornaram com investimentos em energia nuclear.

  • A Holanda planeja construir uma nova usina nuclear, a primeira desde 1973;

  • O Reino Unido também decidiu construir uma nova usina nuclear;

  • A Polônia também está construindo uma nova;

  • A República Tcheca está construindo um novo reator nuclear;

  • A França está planejando construir e exportar novas usinas nucleares;

  • Rússia e China estão apoiando a energia nuclear na África;

  • Vários países sem usinas nucleares estão iniciando seus primeiros projetos de reatores;

  • O Japão está reativando usinas nucleares ociosas;

  • A Alemanha está considerando estender a vida de suas usinas nucleares restantes;

  • A Bélgica está atrasando o fechamento de usinas nucleares;

  • A UE votou para reconhecer formalmente a energia nuclear como “verde”;

  • Os EUA anunciaram US$ 6 bilhões para manter as usinas nucleares abertas;

  • A Califórnia está repensando o fechamento planejado do plano nuclear de Diablo Canyon.

Com informações do portal Quartz.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos