Mercado fechado
  • BOVESPA

    105.069,69
    +603,45 (+0,58%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.597,29
    -330,09 (-0,65%)
     
  • PETROLEO CRU

    66,22
    -0,28 (-0,42%)
     
  • OURO

    1.783,90
    +21,20 (+1,20%)
     
  • BTC-USD

    49.133,77
    +226,78 (+0,46%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.367,14
    -74,62 (-5,18%)
     
  • S&P500

    4.538,43
    -38,67 (-0,84%)
     
  • DOW JONES

    34.580,08
    -59,71 (-0,17%)
     
  • FTSE

    7.122,32
    -6,89 (-0,10%)
     
  • HANG SENG

    23.766,69
    -22,24 (-0,09%)
     
  • NIKKEI

    28.029,57
    +276,20 (+1,00%)
     
  • NASDAQ

    15.687,50
    -301,00 (-1,88%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3953
    +0,0151 (+0,24%)
     

Com crise de energia no país, Senado quer gerador de R$ 294 mil em casa oficial

·2 min de leitura
Presidente do Senado, Rodrigo Pacheco.
Presidente do Senado, Rodrigo Pacheco.
  • Compra visa combater as quedas de luz na região;

  • Para Presidência do Senado, imóvel configura extensão de gabinete de Rodrigo Pacheco;

  • Gastos preveem aparelho, instalação e serviços de assistência técnica por 60 meses.

O Senado Federal comprará no fim do mês um gerador de energia elétrica via pregão eletrônico. O aparelho se destinará para uso da Residência Oficial (RO), imóvel atualmente ocupado pelo presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (DEM-MG).

A compra planeja combater as constantes quedas de energia que o imóvel, localizado no Lago Azul, bairro nobre de Brasília (DF), vem sofrendo nos últimos meses. Para justificar o orçamento de R$ 294.282,23, que inclui a manutenção do aparelho por, pelo menos, 60 meses; a Presidência do Senado argumenta que o imóvel configura extensão do gabinete de Pacheco.

“O custo de uma interrupção de agenda do presidente em eventual queda de energia na Residência Oficial pode causar prejuízos imensuráveis, em questões políticas e de interesse público”, diz o Senado Federal no edital da compra.

Com a publicação do edital, o senador Rodrigo Pacheco une sua voz à dos demais moradores do Distrito Federal que criticam a gestão da companhia elétrica da capital federal. Só entre março e setembro deste ano, a Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) recebeu 385 reclamações por falta de energia no município. Um aumento de 40% em relação as 275 no mesmo período de 2020.

A Neoenergia, empresa que assumiu a rede de distribuição após a privatização da Companhia Energética de Brasília (CEB), afirma que o fornecimento de energia para a região é adequado aos padrões de qualidade. De março ao presente dia, já podemos observar uma redução de 46% na duração das interrupções e uma redução de 47% na frequência das interrupções. Isso significa dizer que está faltando menos energia na região e, quando falta, restabelecemos o fornecimento com mais rapidez”, disse, em nota.

"É importante destacar que a aquisição de geradores é um procedimento preventivo comum para clientes de grande porte e/ou que exercem atividades essenciais em todo o país”, acrescentou.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos