Mercado abrirá em 29 mins

Com coronavírus, falta de gás de cozinha persiste na capital paulista

CRISTIANE GERCINA
***ARQUIVO***SÃO PAULO, SP, 27.03.2020 - GÁS-SP: Fila de revenda de botijão de gás na esquina da avenida Padre Orlando G. da Silveira com a rua Armando Augusto Lopes,em São Paulo. (Foto: Rubens Cavallari/Folhapress)

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - Os moradores da capital paulista e de outros municípios do estado de São Paulo ainda sofrem com a falta de gás de cozinha durante a pandemia de coronavírus. Em locais onde o botijão de 13 quilos chega das distribuidoras às revendas, há ainda filas e altos preços.

Consumidores ouvidos pela reportagem do Agora relatam estar pagando mais pelo gás. Eles afirmam que têm aceitado os preços maiores porque, entre ficar sem ter como preparar os alimentos e o valor maior, escolhem pagar mais.

Um motorista de São Miguel Paulista (zona leste), de 62 anos, que preferiu não se identificar, conta que passou a manhã desta segunda-feira (30) em busca de gás, na Vila Nova Curuçá.

Segundo ele, só foi possível conseguir o botijão porque, ao passar de carro próximo a uma revenda, viu que o caminhão da distribuidora estava chegando para fazer a entrega. "Acelerei o carro, estacionei e fui para a fila. Havia cerca de 20 pessoas na minha frente, mas eu consegui o gás", conta.

O valor do botijão foi R$ 70, acima dos R$ 63 habituais que costuma desembolsar pelo produto.

A aposentada Marinete Silva, 64, da mesma região, diz que costuma comprar gás de um único revendedor, do qual tem o celular. Segundo ela, o proprietário do local desligou o celular e não atende mais ninguém. "Na semana retrasada, peguei gás com ele. Ao ligar hoje, não atendia. Meu marido foi até onde ele mora, mas também não conseguimos falar. Deixamos recado com quem estava lá, com a promessa de que, se chegar gás, ele vai nos entregar."

No Jardim Nordeste, na região de Artur Alvim (zona leste), também não havia gás nesta segunda-feira. Um autônomo de 57 anos diz que passou a manhã ligando para revendedoras, em busca de um botijão, mas só conseguiu a promessa de ser atendido na quinta-feira (2 de abril).

"O gás acabou em nossa casa no domingo. Não havia botijão para entrega na região, segundo o aplicativo Chama. Esperei até a manhã desta segunda e comecei a ligar para as revendedoras. Prometeram entregar na quinta-feira. Não dá para ficar sem gás com as crianças em casa e fazendo home office", afirma.

DISTRIBUIDORAS TÊM MENOS FUNCIONÁRIOS

Um autônomo proprietário de uma revenda de gás e água na Vila Cisper (zona leste), 54, diz que deixou de revender gás e está entregando apenas água, pois não há botijões disponíveis. "Eles não entregam e, quando entregam, é só para os grandes. Os pequenos não conseguem comprar", conta.

Segundo ele, desde o dia 20 começou a faltar gás na região. "Naquela sexta-feira já tinha chegado só metade do total que [as distribuidoras] costumam receber. Disseram que houve redução do número de funcionários e também aumentou a demanda, porque muitos correram com dois, três, quatro botijões para estocar."

O microempresário afirma que tem recebido ligações de diversos bairros da cidade, muitas de outras regiões e, até mesmo, de moradores da Grande SP. "Tem gente sem gás há alguns dias. Além de estar à procura de um botijão, eles têm me contado que o preço está acima de R$ 100 em alguns locais. Até R$ 130 já me relataram", diz ele.

SITUAÇÃO DEVE SE NORMALIZAR EM DUAS SEMANAS

Segundo o presidente do Sergás (Sindicato das Empresas Representantes de GLP da Capital e dos Municípios da Grande São Paulo), Robson Carneiro dos Santos, na capital e na Grande SP, a situação deve se normalizar em duas semanas. "Não estávamos preparados para o aumento de demanda com o coronavírus. É uma epidemia, acho que ninguém estava preparado para isso", diz.

De acordo com Santos, as distribuidoras têm uma cota de gás mensal para comprar, que já foi elevada pela Petrobras, o que vai ajudar a normalizar a situação. O presidente do Sergás afirma que vários fatores estão levando à falta do produto em alguns locais.

"Realmente, há uma série de fatores. Há a cota mensal de compra, há o desequilíbrio da demanda quando veio o coronavírus, além disso, as pessoas estão mais em casa e precisam cozinhar. E, na verdade, há aqueles que têm medo de faltar. É normal do ser humano, então estocam", diz.

"O caminho é a gente falar assim: 'calma, o gás não vai faltar'. É um produto essencial na cesta básica. Sem ele você não cozinha o alimento que vem nela", afirma Santos.