Mercado fechado
  • BOVESPA

    125.052,78
    -1.093,88 (-0,87%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.268,45
    +27,94 (+0,06%)
     
  • PETROLEO CRU

    72,17
    +0,26 (+0,36%)
     
  • OURO

    1.802,10
    -3,30 (-0,18%)
     
  • BTC-USD

    34.571,78
    +764,25 (+2,26%)
     
  • CMC Crypto 200

    786,33
    -7,40 (-0,93%)
     
  • S&P500

    4.411,79
    +44,31 (+1,01%)
     
  • DOW JONES

    35.061,55
    +238,20 (+0,68%)
     
  • FTSE

    7.027,58
    +59,28 (+0,85%)
     
  • HANG SENG

    27.321,98
    -401,86 (-1,45%)
     
  • NIKKEI

    27.548,00
    +159,80 (+0,58%)
     
  • NASDAQ

    15.091,25
    +162,75 (+1,09%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,1216
    +0,0014 (+0,02%)
     

Com Biden na mira, declaração sobre comunhão será escrita por bispos americanos

·2 minuto de leitura
O presidente americano Joe Biden não acredita que os bispos católicos lhe neguem a sagrada comunhão

Os bispos católicos dos Estados Unidos concordaram nesta sexta-feira (18) em redigir uma declaração sobre o significado da Sagrada Comunhão que poderia ser usada para negar esse rito ao presidente Joe Biden por causa do seu posicionamento sobre o aborto.

Biden, de 78 anos, um católico devoto que vai à missa pelo menos uma vez por semana, é a favor da decisão histórica de 1973 da Suprema Corte dos Estados Unidos que garante o direito da mulher à interrupção da gravidez.

Desafiando os apelos do Vaticano, os bispos votaram em sua assembleia geral de primavera para redigir uma declaração formal sobre o "significado da Eucaristia na vida da Igreja".

A proposta foi aprovada por 168 votos a favor, 55 contra e seis abstenções, e será discutida em novembro.

A Eucaristia é um dos rituais mais sagrados da Igreja Católica e alguns de seus líderes mais conservadores pediram que neguem o sacramento aos políticos que apoiam o direito ao aborto.

Em uma entrevista coletiva, o bispo Kevin Rhoades, de Fort Wayne-South Bend, Indiana, disse nesta quinta-feira que o comitê que redigiu a declaração "examinará a questão da coerência eucarística".

O bispo Michael Burbidge, de Arlington, na Virgínia, por sua vez, afirmou que a declaração é sobre "como viver uma vida eucarística e como seguir em frente no serviço". "Não excluímos ninguém da igreja", acrescentou.

Cada bispo decide quem recebe a comunhão em sua diocese.

Em 2019, um padre de uma igreja católica da Carolina do Sul rejeitou conceder a Sagrada Comunhão a Biden por causa de seu posicionamento sobre o aborto.

O Catholic News Service relatou em maio que o Vaticano advertiu os bispos dos Estados Unidos a procederem com cautela com políticas destinadas a "abordar a situação dos católicos em cargos públicos que apoiam a legislação que permite o aborto, a eutanásia ou outros males morais".

Biden foi questionado nesta sexta-feira sobre a ação dos bispos e a possibilidade de que ele não possa comungar.

"É um assunto privado e não acho que vá acontecer", declarou a repórteres durante um evento na Casa Branca sobre a pandemia do coronavírus.

O posicionamento de Biden sobre o aborto foi citado por muitos cristãos evangélicos americanos como base para seu voto a favor do político anti-aborto Donald Trump na eleição presidencial de novembro passado.

cl/acb/dg/dga/bn/mvv

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos