Mercado fechado
  • BOVESPA

    113.282,67
    -781,69 (-0,69%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.105,71
    -358,56 (-0,70%)
     
  • PETROLEO CRU

    73,95
    +0,65 (+0,89%)
     
  • OURO

    1.750,60
    +0,80 (+0,05%)
     
  • BTC-USD

    43.240,69
    +658,96 (+1,55%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.067,20
    -35,86 (-3,25%)
     
  • S&P500

    4.455,48
    +6,50 (+0,15%)
     
  • DOW JONES

    34.798,00
    +33,18 (+0,10%)
     
  • FTSE

    7.051,48
    -26,87 (-0,38%)
     
  • HANG SENG

    24.192,16
    -318,82 (-1,30%)
     
  • NIKKEI

    30.248,81
    +609,41 (+2,06%)
     
  • NASDAQ

    15.319,00
    +15,50 (+0,10%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,2556
    +0,0306 (+0,49%)
     

Com a bênção do avô, netos de Martinho da Vila lançam primeiro EP

·3 minuto de leitura

RIO — Uma dupla de irmãos cantores com repertório... Errou quem completou a frase com a palavra “sertanejo”. Raoni e Dandara são sambistas de raiz, diga-se de passagem. Netos de Martinho da Vila, os filhos de Analimar não negam a herança musical da família e estão lançando o EP “Atravessando gerações”, com quatro canções autorais e a regravação de “Namoradeira”, sucesso na voz do avô famoso.

Morador do Grajaú, Raoni conta como nasceu a dupla sambista:

— Foi natural. Sempre fomos uma dupla que fazia muitos projetos juntos. Dandara é porta-bandeira (da Paraíso do Tuiuti) e eu, que sou professor de educação física, faço a preparação corporal dela. A gente sempre esteve lado a lado em tudo. Por que não cantar juntos? Quando surgiu a ideia de homenagear os 80 anos do nosso avô com um trabalho musical, nós nos enxergamos como uma dupla de samba.

Os irmãos têm diferenças em relação às duplas sertanejas.

— Com a gente não tem isso de primeira e segunda voz. No nosso caso, cada um canta uma parte da música e também alternamos canções cantando separadamente — explica a sambista, moradora de Vila Isabel.

Fato é que a dupla Raoni e Dandara conta com um fã-clube de peso, a começar por Martinho da Vila.

— O nosso avô torce muito por nós, sempre está por dentro do nosso trabalho e fica feliz quando algum amigo nos elogia. Ele não gosta de dar opinião, mas escuta o que temos para dizer e gosta de ser consultado sobre um projeto. Não fala faz isso ou aquilo: observa e dá um jeito de nos levar à reflexão. O nosso avô não é do tipo que aponta caminhos, ele nos leva a escolher o nosso — conta a cantora.

Orgulho define o que significa para Raoni ser neto de Martinho da Vila:

— É fantástico. Por incrível que pareça, comecei a enxergar melhor a riqueza da arte dele quando a gente pensou em homenagear os seus 80 anos, inicialmente com um série de lives. É lindo saber que o meu avô é um artista tão importante para a nossa cultura. Ser neto de Martinho abre muitas portas, mas a cobrança vem junto. Uma coisa é certa: a gente traz as influências dele, mas quer trilhar o próprio caminho.

Compositor da dupla, Raoni deu os primeiros passos nesta arte não em parceria com o avô, mas com uma outra ilustre representante da família.

— Comecei com a compor com a minha tia Mart’nália fazendo samba-enredo — recorda.

Subir aos palcos está nos planos da dupla. Mas, por ora, dá para curtir o samba raiz do EP de Raoni e Dandara nas plataformas digitais de áudio e no canal Canta Canta Minha Gente, no YouTube, onde também estão disponibilizadas as lives dos irmãos sambistas.

— Estamos nos programando para começar a fazer shows em breve. A vontade de apresentar a nossa identidade nos palcos é enorme. É um amadurecimento mostrar as nossas canções, mas é claro que nunca vamos deixar de cantar os sucessos de Martinho da Vila — frisa Dandara.

SIGA O GLOBO-BAIRROS NO TWITTER (OGlobo_Bairros)

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos