Mercado abrirá em 3 h 55 min
  • BOVESPA

    105.069,69
    +603,69 (+0,58%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.597,29
    -330,11 (-0,65%)
     
  • PETROLEO CRU

    67,86
    +1,60 (+2,41%)
     
  • OURO

    1.782,80
    -1,10 (-0,06%)
     
  • BTC-USD

    48.968,75
    -341,54 (-0,69%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.247,62
    -194,14 (-13,47%)
     
  • S&P500

    4.538,43
    -38,67 (-0,84%)
     
  • DOW JONES

    34.580,08
    -59,72 (-0,17%)
     
  • FTSE

    7.122,32
    0,00 (0,00%)
     
  • HANG SENG

    23.352,50
    -414,19 (-1,74%)
     
  • NIKKEI

    27.927,37
    -102,20 (-0,36%)
     
  • NASDAQ

    15.735,75
    +18,00 (+0,11%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3739
    -0,0214 (-0,33%)
     

Com aporte de R$ 1,3 bilhão, fintech SumUp quer expandir na América Latina

·4 min de leitura
Fintech de pagamentos móveis, a SumUp é focada em uma área com crescimento constante: a de máquinas de cartão de crédito mais baratas
Fintech de pagamentos móveis, a SumUp é focada em uma área com crescimento constante: a de máquinas de cartão de crédito mais baratas
  • O plano da SumUp é o de estar próximo dos microempreendedores, como vendedores de comida de rua

  • A SumUp é focada nas máquinas de cartão de crédito mais baratas, digitais

  • A SumUp recebeu um aporte de R$ 1,3 bilhão recentemente

Fintech de máquinas de cartão focada em microempresários, a SumUp recebeu um aporte de R$ 1,3 bilhão recentemente. Um dos maiores investimentos já vistos nesse mercado, que conta com forte concorrência da PagBank e de empresas tradicionais de processamento de pagamentos, a startup tem um objetivo certeiro para esse dinheiro: fazer sua expansão no Brasil e na América Latina, em um momento delicado para empresários.

O recurso, no entanto, não é um aporte direcionado diretamente para a operação brasileira da SumUp. Fundada na Alemanha, em 2012, a startup europeia recebeu um aporte de € 750 milhões, algo próximo a R$ 5 bilhões, em valor aproximado de hoje. Com isso, a filial brasileira, no mercado desde 2013, recebeu uma fatia de 30% de um aporte ainda maior, depositado na matriz alemã. Agora, a empresa está repassando valores para suas filiais.

Esse valor, segundo a SumUp, foi captado em um empréstimo internacional, num modelo diferente de aportes tradicionais. Foi feito através de um condomínio de dívida que tem como participantes o Goldman Sachs, Temasek, Bain Capital Credit, Crestline e Oaktree.

"O Brasil é um importante mercado para a SumUp no mundo e, por conta disso, a empresa decidiu investir em torno de 30% do aporte total nas operações locais”, explica Fabiano Camperlingo, CEO Latam da SumUp. Mas indo para além das fronteiras do Brasil, a empresa ressalta que esse investimento será essencial para impulsionar a presença da SumUp na América Latina com as operações na Argentina, México, Peru, Chile e Colômbia.

O que é a SumUp?

Fintech de pagamentos móveis, a SumUp é focada em uma área com crescimento constante: a de máquinas de cartão de crédito mais baratas, digitais, acessíveis e portáteis, para fácil transporte e uso. Ao invés daquelas tradicionais máquinas, com cobrança de aluguel, a SumUp vende a máquina diretamente para pequenos negócios, reduzindo o custo das taxas e tornando esse pagamento mais acessível ao empreendedor.

O plano da SumUp é o de estar próximo dos microempreendedores, como vendedores de comida de rua, cabeleireiros e empreendedores que tocam seus negócios sozinhos.

A empresa não divulga números no Brasil, como faturamento e número de clientes que usam ativamente a maquininha. Sabe-se no entanto que atualmente emprega mais de 900 pessoas e que, em 2019, a fintech já recebeu um outro aporte no valor de R$ 500 milhões.

O que muda com os investimentos?

Além de impulsionar a presença da SumUp no Brasil e na América Latina, o aporte vai escoar não só para o negócio de máquinas de cartão, como também para novas iniciativas da fintech. “Nossos esforços serão voltados para quatro iniciativas: criarmos um modelo de solução única aos microempreendedores contando com adquirência, banco digital e produtos de crédito, aquisição de novos clientes, expansão de nossa atuação para outros países da América Latina e atração de talentos ", resume Fabiano Camperlingo, CEO.

Em relação à distribuição do aporte nas operações brasileiras, todos os novos negócios receberão parcela do investimento de acordo com a demanda de infraestrutura, tecnologia, desenvolvimento e segurança digital. "Um exemplo recente foi o desenvolvimento da infraestrutura e do time do banco digital que, em menos de um ano, passou a atender ao nano empreendedor brasileiro. Recebemos a licença de Sociedade de Crédito Direto em tempo recorde", diz Mariana Lázaro, a diretora financeira da SumUp na América Latina.

Assim, a ideia é mais do que oferecer máquinas para microempreendedores, se tornando uma “central” de soluções. “A SumUp Brasil foi uma das finalistas selecionada pelo BNDES para a criação em conjunto de Fundos de Investimentos em Direitos Creditórios de crédito”, diz Camperlingo. “Esse aporte chega também para auxiliar nessa nova empreitada. Isso quer dizer que, com o conhecimento e o acesso aos recebíveis do microempreendedor que a SumUp possui, este fundo permitirá a concessão de crédito a um segmento da população que ainda não possui acesso a esse tipo de produto em instituições financeiras convencionais, democratizando o serviço financeiro em todo o País", conclui o executivo.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos