Mercado fechará em 3 h 42 min
  • BOVESPA

    113.552,74
    +40,36 (+0,04%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    48.474,92
    -326,76 (-0,67%)
     
  • PETROLEO CRU

    87,09
    +0,56 (+0,65%)
     
  • OURO

    1.775,90
    -13,80 (-0,77%)
     
  • BTC-USD

    23.389,86
    -488,40 (-2,05%)
     
  • CMC Crypto 200

    554,54
    -18,27 (-3,19%)
     
  • S&P500

    4.262,82
    -42,38 (-0,98%)
     
  • DOW JONES

    33.904,72
    -247,29 (-0,72%)
     
  • FTSE

    7.515,75
    -20,31 (-0,27%)
     
  • HANG SENG

    19.922,45
    +91,93 (+0,46%)
     
  • NIKKEI

    29.222,77
    +353,86 (+1,23%)
     
  • NASDAQ

    13.446,00
    -212,25 (-1,55%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,2660
    +0,0342 (+0,65%)
     

Com alta da gasolina, etanol deve ganhar mais espaço no Brasil

·2 min de leitura
Produção do etanol hidratado deverá subir no período de 2022/23
Produção do etanol hidratado deverá subir no período de 2022/23

Produção do etanol hidratado ganhará força no período de 2022/23;

Gasolina e diesel sofreram novo aumento nesta quinta-feira, 10;

Guerra na Ucrânia já fez o petróleo subir 30%.

Frente a sucessivos aumentos no preço da gasolina, analistas da StoneX esperam um ganho de terreno do etanol hidratado no mercado brasileiro de combustíveis.

De acordo com as pesquisas da empresa, haverá um aumento de 5,6% na produção de etanol de cana no eixo centro-sul em 2022/23, totalizando 25,5 bilhões de litros. Já a fabricação do etanol de milho deve ter um aumento de 18,9%, para 4,2 bilhões de litros no mesmo período.

Enquanto sobe a produção do etanol hidratado, o etanol anidro de cana (misturado à gasolina) deverá sofrer uma redução de 10,7% em sua produção, chegando a 9 bilhões de litros em 2022/23

A Petrobras anunciou nesta quinta-feira, 10, seu mais recente reajuste no preço dos derivados de petróleo. O novo aumento vem para tentar aproximar o preço do petróleo praticado no Brasil, com os comercializados no mercado internacional.

Desde a invasão da Ucrânia pela Rússia, os preços do petróleo subiram mais de 30%. Com isso, o preço do diesel se encontrava 51% abaixo do que deveria, enquanto a gasolina estava sendo vendida por 35% a menos do preço correto, segundo a política de preços da Petrobras.

No entanto, com o novo reajuste, de 18,8% na gasolina e 24,9% no diesel, os preços ainda estão defasados. Segundo dados da Abicom, o novo custo da gasolina ficará entre 8% a 10% defasado em relação ao valor internacional, por sua vez, o preço do diesel está de 9% a 11% menor que aqueles praticados no exterior.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos