Mercado fechará em 1 h 32 min
  • BOVESPA

    109.252,86
    +1.873,94 (+1,75%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    42.651,22
    +384,02 (+0,91%)
     
  • PETROLEO CRU

    44,97
    +1,91 (+4,44%)
     
  • OURO

    1.801,80
    -36,00 (-1,96%)
     
  • BTC-USD

    19.201,90
    +749,93 (+4,06%)
     
  • CMC Crypto 200

    380,79
    +11,04 (+2,99%)
     
  • S&P500

    3.630,09
    +52,50 (+1,47%)
     
  • DOW JONES

    30.066,93
    +475,66 (+1,61%)
     
  • FTSE

    6.432,17
    +98,33 (+1,55%)
     
  • HANG SENG

    26.588,20
    +102,00 (+0,39%)
     
  • NIKKEI

    26.165,59
    +638,22 (+2,50%)
     
  • NASDAQ

    12.012,50
    +107,25 (+0,90%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3997
    -0,0406 (-0,63%)
     

Com ajuda do dólar, lucro da Gerdau sobe 175% no terceiro trimestre

Ana Paula Machado
·5 minuto de leitura

Companhia registrou um ganho de R$ 795 milhões no período Reprodução / Instagram Gerdau O lucro líquido da Gerdau cresceu 175% no terceiro trimestre, para R$ 795 milhões, comparado a R$ 289 milhões no mesmo período do ano anterior. No acumulado do ano, o lucro foi de R$ 1,33 bilhão, alta de 19%. A companhia anunciou os resultados financeiros nesta quarta-feira. Segundo a companhia, o bom desempenho pode ser explicado pela depreciação do real de 36% nos últimos doze meses, “com impacto positivo especialmente pela conversão das receitas das nossas operações na América do Norte”. A receita líquida da Gerdau cresceu 23% no terceiro trimestre em relação ao mesmo período do ano passado, para R$ 12,22 bilhões. No acumulado do ano, a receita líquida da Gerdau caiu 7%, passando de R$ 9,5 bilhões para R$ 8,82 bilhões. Segundo a companhia, o lucro antes juros, impostos, depreciação e amortização (Ebitda, na sigla em inglês) cresceu 68% no terceiro trimestre em relação ao mesmo período de 2019. O indicador chegou a R$ 2 bilhões. No acumulado até setembro, o Ebitda chegou a R$ 4,44 bilhões, evolução de 7%. Produção A produção de aço no terceiro trimestre aumentou 17% no comparativo com o mesmo período do ano passado. Foram produzidas 3,2 milhões de toneladas ante 2,73 milhões de toneladas. Já no acumulado do ano, a siderúrgica produziu 8,82 milhões de toneladas, o que representou um recuo de 7% em relação ao mesmo período de 2019, quando foram produzidas 9,5 milhões de toneladas. Segundo a companhia, o aumento da produção ocorreu em razão da retomada das atividades nos diferentes países que a companhia atua. “Importante salientar que no segundo trimestre houve paradas em algumas unidades industriais devido aos impactos da pandemia da covid-19.” As vendas de aço no terceiro trimestre também aumentaram. No período o crescimento foi de 4%, passando de 3,05 milhões de toneladas para 3,18 milhões de toneladas. No acumulado, a Gerdau vendeu 8,24 milhões de toneladas, o que representou queda de 9%. Receita da operação brasileira A receita líquida na operação no Brasil aumentou 19% no terceiro trimestre, chegando a R$ 4,99 bilhões. No mesmo período do ano passado, o faturamento alcançou R$ 4,19 bilhões. No acumulado, a receita atingiu R$ 11,96 bilhões, um recuo de 1% no comparativo com o mesmo período de 2019. No terceiro trimestre a produção de aço chegou a 1,55 milhão de toneladas, alta de 44% em relação ao mesmo período de 2019. De janeiro a setembro, no entanto, a produção caiu 5% passando de 4,12 milhões de toneladas para 3,92 milhões de toneladas. As vendas no trimestre registraram alta de 7% na unidade brasileira, chegando a 1,51 milhão de tonelada. De janeiro a setembro, entretanto, foram vendidas 3,8 milhões de toneladas, uma queda de 8%. Segundo a companhia, o desempenho na unidade pode ser explicado pela retomada do mercado brasileiro, impulsionado principalmente pela construção civil. “Cabe mencionar que esta retomada foi impulsionada pela demanda reprimida do período mais agudo da pandemia da covid-19, além do efeito de reposição dos estoques. Podemos observar este efeito quando comparamos os primeiros nove meses de 2020 que apresentaram um crescimento de 7% em relação ao mesmo período de 2019”, afirma a Guerdau. Na operação na América do Sul a receita líquida cresceu 62%, chegando a R$ 1,25 bilhão. No acumulado do ano, o faturamento alcançou R$ 2,5 bilhões, alta de 7%. As vendas na operação apresentaram alta de 8%, para 300 mil toneladas. De janeiro a setembro, a unidade comercializou 630 mil toneladas, queda de 20%. Segundo a companhia, a produção na operação cresceu 11% chegando a 170 mil toneladas. No acumulado, no entanto, foram produzidas 390 mil toneladas, um recuo de 13% Aços especiais A receita líquida da Gerdau na unidade de negócios de aços especiais apresentou alta de 5% no terceiro trimestre deste ano. O faturamento foi de R$ 1,7 bilhão no período. No acumulado do ano, a receita da operação chegou a R$ 4 bilhões, uma queda de 24%. A produção nesta unidade chegou a 323 mil toneladas, uma queda de 22% no terceiro trimestre no comparativo com o mesmo período do ano passado. No acumulado até setembro, foram produzidas, 973 mil toneladas, recuo de 30%. Segundo a companhia a venda na operação de aços especiais caiu 12% no terceiro trimestre, para 338 mil toneladas. No acumulado, a queda foi de 32%, para 844 mil toneladas. “A produção e as vendas de aço apresentaram queda no terceiro trimestre em relação ao mesmo período de 2019, pelos efeitos da redução da demanda no setor automotivo tanto no Brasil quanto nos Estados Unidos. Além disso, ainda repercutem os impactos do preço do petróleo no setor de óleo e gás americano e as menores exportações de automóveis a partir do Brasil para a Argentina”, diz a empresa. Na operação da América do Norte, a receita líquida aumentou 24%, para R$ 4,48 bilhões no terceiro trimestre. Já no acumulado, o faturamento foi de R$ 12,42 bilhões, alta de 10%. A produção de aço bruto nessa operação no terceiro trimestre aumentou 6%, para 1,15 milhão de tonelada. De janeiro a setembro foram produzidas 3,53 milhões de toneladas, queda de 1%. Segundo a Gerdau, a venda de aço na América do Norte ficou estável a 1 milhão de tonelada no terceiro trimestre. No acumulado, apresentou queda de 2% para 3,22 milhões de toneladas.