Mercado fechado
  • BOVESPA

    121.710,79
    +1.790,18 (+1,49%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    49.241,65
    +306,74 (+0,63%)
     
  • PETROLEO CRU

    64,83
    +0,12 (+0,19%)
     
  • OURO

    1.833,20
    +17,50 (+0,96%)
     
  • BTC-USD

    57.949,17
    +2.118,64 (+3,79%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.495,14
    +59,36 (+4,13%)
     
  • S&P500

    4.232,60
    +30,98 (+0,74%)
     
  • DOW JONES

    34.777,76
    +229,23 (+0,66%)
     
  • FTSE

    7.129,71
    +53,54 (+0,76%)
     
  • HANG SENG

    28.610,65
    -26,81 (-0,09%)
     
  • NIKKEI

    29.357,82
    +26,45 (+0,09%)
     
  • NASDAQ

    13.710,50
    +112,75 (+0,83%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3545
    -0,0121 (-0,19%)
     

Com agravamento da pandemia, investidores estrangeiros retiram US$ 2,1 bilhões do Brasil em março

LARISSA GARCIA
·4 minuto de leitura

BRASÍLIA, DF (FOLHAPRESS) - Após nove meses de resultados positivos, os investidores estrangeiros retiraram US$ 2,1 bilhões do mercado de ações e títulos públicos em março, segundo dados do BC (Banco Central) divulgados nesta segunda-feira (26). O volume negociado no mercado doméstico havia mostrado recuperação depois dos meses mais críticos da pandemia de Covid-19, mas foi afetado pelo agravamento da crise sanitária no país e de novas rodadas de medidas de restrição para conter a transmissão do vírus. Em fevereiro, houve ingresso líquido de US$ 3,6 bilhões. No acumulado dos 12 meses, no entanto, os investimentos no mercado doméstico ficaram positivos em US$ 23,3 bilhões, puxados pelos resultados dos meses anteriores. De acordo com dados preliminares divulgados pelo BC, até 20 de abril, o investimento teve resultado negativo em US$ 96 milhões. "Para abril, observamos praticamente estabilidade na rubrica. Não fazemos projeções para esta conta porque é muito volátil, então não dá para cravar que seja uma tendência ou os motivos", ponderou o chefe do departamento de estatísticas Fernando Rocha. O técnico do BC explicou que nos meses mais intensos da pandemia no ano passado, a saída líquida de investimentos foi expressiva. "De fevereiro, quando começaram a surgir notícias sobre o vírus na Europa, a maio, houve resultado negativo de US$ 35,3 bilhões, US$ 22,2 bi apenas em março. Depois, tivemos nove meses de resultados positivos que recompuseram essas perdas integralmente, retornando aos níveis pré-pandemia", disse. A retirada em março se deu em ações, com US$ 3 bilhões, mas houve ingresso de US$ 912 milhões em títulos de renda fixa. "Em abril, na parcial, vemos o movimento contrário, com saída em títulos e ingresso em ações e fundos de investimento", destacou Rocha. Já os investimentos diretos no país somaram US$ 6,9 bilhões no mês. Os investimentos diretos, diferentemente das aplicações em ações e títulos públicos, são feitos por empresas que estabelecem um relacionamento de médio e longo prazo com o país e são menos voláteis em crises momentâneas por envolver decisões mais duradouras. Nos 12 meses, as aplicações desse tipo totalizaram US$ 39,3 bilhões. Em fevereiro, os investimentos diretos foram de US$ 9 bilhões, maior valor para o mês desde 2011. Os números parciais de abril mostram ingresso de US$ 3,1 bilhões em investimentos diretos. A expectativa do BC é que a modalidade encerre o mês em US$ 4,9 bilhões. "A projeção indica que os investimentos diretos em 2021 serão maiores que no ano passado", afirmou o técnico do BC. As empresas brasileiras aplicaram US$ 1,4 bilhão em outros países em março. Nos 12 meses, no entanto, houve retirada de US$ 6,1 bilhões. A saída caracteriza desinvestimento, quando o investidor retira dinheiro do negócio. As viagens internacionais permanecem em baixa. Em março, os brasileiros gastaram US$ 313 milhões no exterior. Já os turistas estrangeiros desembolsaram US$ 213 milhões no país. Os patamares são muito inferiores aos observados antes da crise. Rocha ressaltou que este é o primeiro mês em que a comparação interanual é afetada pela pandemia de ponta a ponta. "Como a base de comparação, que é março do ano passado, já foi afetada parcialmente pela pandemia, não teremos aquelas quedas expressivas dos meses anteriores, de até 90%, mas os níveis ficarão semelhantes", afirmou. "Enquanto existirem restrições para turistas e as pessoas não se sentirem confortáveis para viajar teremos valores baixos em viagens internacionais", pontuou. O saldo das contas externas ficaram deficitárias em US$ 4 bilhões no mês. Nos 12 meses, o resultado foi negativo em US$ 17,8 bilhões, o equivalente a 1,24% do PIB (Produto Interno Bruto). No mesmo período do ano passado, o resultado foi negativo em US$ 71 bilhões, ou 3,97% do PIB. Para abril, a projeção do BC é de superávit de US$ 5,7 bilhões em transações correntes. ​ A melhora nas transações correntes no ano se deu em decorrência dos resultados positivos da balança comercial durante a pandemia, da diminuição dos déficits de serviços, especialmente de viagens internacionais, e de lucros e dividendos de empresas. Em março, contudo, a balança comercial voltou a ter resultado negativo e registrou déficit de US$ 437 milhões. As exportações totalizaram US$ 24,6 bilhões, aumento de 33,7% em relação ao mesmo mês do ano passado. As importações somaram US$ 25 bilhões, alta de 53,6% na mesma base de comparação.