Mercado fechado
  • BOVESPA

    117.669,90
    -643,33 (-0,54%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    47.627,67
    -560,48 (-1,16%)
     
  • PETROLEO CRU

    59,34
    -0,26 (-0,44%)
     
  • OURO

    1.744,10
    -14,10 (-0,80%)
     
  • BTC-USD

    60.456,80
    +1.796,53 (+3,06%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.235,89
    +8,34 (+0,68%)
     
  • S&P500

    4.128,80
    +31,63 (+0,77%)
     
  • DOW JONES

    33.800,60
    +297,03 (+0,89%)
     
  • FTSE

    6.915,75
    -26,47 (-0,38%)
     
  • HANG SENG

    28.698,80
    -309,27 (-1,07%)
     
  • NIKKEI

    29.768,06
    +59,08 (+0,20%)
     
  • NASDAQ

    13.811,00
    +63,25 (+0,46%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,7625
    +0,1276 (+1,92%)
     

Com 1.840 mortes em 24h, Brasil bate novo recorde de óbitos por Covid-19

Evelin Azevedo
·2 minuto de leitura

O Brasil bateu, pelo segundo dia consecutivo, o recorde de mortes por Covid-19 notificadas em 24h. Foram 1.840 óbitos contabilizados pelas secretarias estaduais de saúde. O país totaliza 259.402 vidas perdidas para o novo coronavírus. A média móvel também bateu um novo recorde: 1.332. É o quinto dia consecutivo que isto ocorre. O cálculo está 29% maior do que duas semanas atrás.

Colapso na saúde e restrições: Veja a situação em cada estado brasileiro

Desde as 20h de terça-feira, 74.376 novos casos foram registrados, elevando para 10.722.221 o total de infectados pelo vírus Sars-CoV-2 no país. A média móvel foi de 56.602 diagnósticos positivos, 27% maior do que o cálculo de 14 dias atrás.

A "média móvel de 7 dias" faz uma média entre o número do dia e dos seis anteriores. Ela é comparada com média de duas semanas atrás para indicar se há tendência de alta, estabilidade ou queda dos casos ou das mortes. O cálculo é um recurso estatístico para conseguir enxergar a tendência dos dados abafando o ruído" causado pelos finais de semana, quando a notificação de mortes se reduz por escassez de funcionários em plantão.

Na avaliação da epidemiologista Ethel Maciel, este número alto de mortes por Covid-19 no Brasil é o resultado de erros consecutivos.

— Erros na condução da pandemia, do que deixamos de fazer, da falta de informação ou da desinformação que o próprio governo propagou. Todas essas medidas nos fizeram chegar até aqui. Nunca terminamos uma primeira onda, nunca tivemos controle da pandemia.

Vinte e dois estados atualizaram seus dados sobre vacinação contra a Covid-19 nesta quarta-feira. Em todo o país, 7.351.265 pessoas receberam a primeira dose de um imunizante, o equivalente a 3,47% da população brasileira. A segunda dose da vacina, por sua vez, foi aplicada em 2.303.850 pessoas, ou 1,09% da população nacional.

Os dados são do consórcio formado por O GLOBO, Extra, G1, Folha de S.Paulo, UOL e O Estado de S. Paulo e reúne informações das secretarias estaduais de Saúde divulgadas diariamente até as 20h. A iniciativa dos veículos da mídia foi criada a partir de inconsistências nos dados apresentados pelo Ministério da Saúde.