Mercado fechado
  • BOVESPA

    119.371,48
    -690,52 (-0,58%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    49.092,31
    +224,69 (+0,46%)
     
  • PETROLEO CRU

    61,76
    +0,33 (+0,54%)
     
  • OURO

    1.784,30
    +2,30 (+0,13%)
     
  • BTC-USD

    51.588,43
    -3.357,50 (-6,11%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.194,54
    -48,51 (-3,90%)
     
  • S&P500

    4.134,98
    -38,44 (-0,92%)
     
  • DOW JONES

    33.815,90
    -321,41 (-0,94%)
     
  • FTSE

    6.938,24
    +42,95 (+0,62%)
     
  • HANG SENG

    28.755,34
    +133,42 (+0,47%)
     
  • NIKKEI

    29.188,17
    +679,62 (+2,38%)
     
  • NASDAQ

    13.767,75
    +17,50 (+0,13%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,5430
    -0,1590 (-2,37%)
     

Com 1.582 mortes por Covid-19 em 24h, Brasil tem dia mais letal um ano após primeiro caso

Evelin Azevedo
·2 minuto de leitura

RIO — O Brasil registrou 1.582 mortes por Covid-19 em 24h, exatamente um ano após a confirmação do primeiro caso da doença no país. No total já são 251.661 vidas já foram perdidas desde o começo da pandemia. A média movel de óbitos bateu um novo recorde: 1.150. Isto é 8% maior do que o cálculo de duas semanas atrás.

Confira os dez dias com mais mortes desde o início da pandemia:

25/02/2021 com 1.582 mortes29/07/2020 com 1.554 mortes04/06/2020 com 1.470 mortes11/02/2021 com 1.452 mortes28/01/2021 com 1.439 mortes24/02/2021 com 1.433 mortes18/02/2021 com 1.432 mortes04/08/2020 com 1.394 mortes20/01/2021 com 1.382 mortes08/01/2021 com 1.379 mortes

Desde as 20h de quarta-feira, 67.878 novos diagnósticos positivos foram contabilizados, totalizando 10.393.886 de infectados no país. A média móvel foi de 52.177 casos, 15% maior do que o cálculo de 14 dias atrás.

A "média móvel de 7 dias" faz uma média entre o número do dia e dos seis anteriores. Ela é comparada com média de duas semanas atrás para indicar se há tendência de alta, estabilidade ou queda dos casos ou das mortes. O cálculo é um recurso estatístico para conseguir enxergar a tendência dos dados abafando o ruído" causado pelos finais de semana, quando a notificação de mortes se reduz por escassez de funcionários em plantão.

Os dados são do consórcio formado por O GLOBO, Extra, G1, Folha de S.Paulo, UOL e O Estado de S. Paulo e reúne informações das secretarias estaduais de Saúde divulgadas diariamente até as 20h. A iniciativa dos veículos da mídia foi criada a partir de inconsistências nos dados apresentados pelo Ministério da Saúde.