Mercado fechado
  • BOVESPA

    115.202,23
    +2.512,05 (+2,23%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    46.342,54
    +338,35 (+0,74%)
     
  • PETROLEO CRU

    66,28
    +2,45 (+3,84%)
     
  • OURO

    1.698,20
    -2,50 (-0,15%)
     
  • BTC-USD

    49.335,29
    +458,59 (+0,94%)
     
  • CMC Crypto 200

    982,93
    +39,75 (+4,21%)
     
  • S&P500

    3.841,94
    +73,47 (+1,95%)
     
  • DOW JONES

    31.496,30
    +572,16 (+1,85%)
     
  • FTSE

    6.630,52
    -20,36 (-0,31%)
     
  • HANG SENG

    29.098,29
    -138,51 (-0,47%)
     
  • NIKKEI

    28.864,32
    -65,78 (-0,23%)
     
  • NASDAQ

    12.652,50
    +197,50 (+1,59%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,7780
    -0,0079 (-0,12%)
     

Com 1.176 mortes em 24 horas, Brasil ultrapassa marca de 216 mil mortos pela Covid-19

Extra
·1 minuto de leitura
Foto: Cléber Júnior / Agência O Globo

O Brasil ultrapassou neste sábado a marca de 216 mil mortes por Covid-19. Foram contabilizados 1.176 novos óbitos nas últimas 24 horas, chegando a 216.475 vidas perdidas desde o início da pandemia, segundo o boletim dos veículos de imprensa. O levantamento também indicou 60.980 novas ocorrências da enfermidade, totalizando 8.816.113 contágios na história da doença no país.

O consórcio dos veículos de imprensa, uma parceria criada em junho para dar mais transparência aos dados sobre a Covid-19, é formado por O GLOBO, Extra, G1, Folha de S.Paulo, UOL e O Estado de S. Paulo e reúne informações divulgadas pelas secretarias estaduais de Saúde em um boletim divulgado às 20h.

O boletim inclui, desde a última quinta-feira, a divulgação do número de pessoas vacinadas no país. Treze estados disponibilizam os dados até o momento. Neles, foram imunizadas, até agora, 528.288 pessoas.

A média móvel de óbitos, também medida pelo levantamento, foi de 1.021. A média móvel de casos, por sua vez, ficou em 51.344, índice estável em relação a duas semanas atrás.

A "média móvel de 7 dias" faz uma média entre o número de mortes do dia e dos seis anteriores. Ela é comparada com média de duas semanas atrás para indicar se há tendência de alta, estabilidade ou queda. O cálculo é um recurso estatístico para conseguir enxergar a tendência dos dados abafando o "ruído" causado pelos finais de semana, quando a notificação de mortes se reduz por escassez de funcionários em plantão.