Mercado fechará em 3 h 40 min
  • BOVESPA

    129.553,30
    -654,66 (-0,50%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.885,28
    -144,26 (-0,28%)
     
  • PETROLEO CRU

    71,68
    +0,80 (+1,13%)
     
  • OURO

    1.858,00
    -7,90 (-0,42%)
     
  • BTC-USD

    40.126,95
    -417,77 (-1,03%)
     
  • CMC Crypto 200

    999,89
    -10,72 (-1,06%)
     
  • S&P500

    4.245,18
    -9,97 (-0,23%)
     
  • DOW JONES

    34.248,00
    -145,75 (-0,42%)
     
  • FTSE

    7.172,48
    +25,80 (+0,36%)
     
  • HANG SENG

    28.638,53
    -203,60 (-0,71%)
     
  • NIKKEI

    29.441,30
    +279,50 (+0,96%)
     
  • NASDAQ

    14.069,50
    -55,25 (-0,39%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,1646
    +0,0331 (+0,54%)
     

Comércio físico ameniza queda e espera aumento de vendas em maio

·1 minuto de leitura

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - O comércio físico brasileiro ainda sente os impactos das restrições de funcionamento na pandemia, segundo a Serasa, mas registrou queda de apenas 1,4% nas vendas em abril em relação março, depois de um tombo de 10,4% no mês anterior.

Com a desaceleração do baque, a expectativa é que as vendas voltem a crescer em maio, segundo Luiz Rabi, economista da Serasa. "A tendência é termos meses positivos, se não tivermos nenhum acidente de percurso em relação à pandemia", diz.

Em abril, o maior tombo, de quase 19%, foi no setor de tecidos, vestuário, calçados e acessórios.

Veículos, motos e peças foram o único setor que cresceu no período, com alta em torno de 4%, de acordo com o levantamento.