Mercado fechará em 5 h 4 min
  • BOVESPA

    120.603,48
    +541,48 (+0,45%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    48.963,58
    +95,96 (+0,20%)
     
  • PETROLEO CRU

    61,35
    0,00 (0,00%)
     
  • OURO

    1.786,80
    -6,30 (-0,35%)
     
  • BTC-USD

    54.796,62
    -686,36 (-1,24%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.283,23
    +40,18 (+3,23%)
     
  • S&P500

    4.170,33
    -3,09 (-0,07%)
     
  • DOW JONES

    34.041,86
    -95,45 (-0,28%)
     
  • FTSE

    6.924,49
    +29,20 (+0,42%)
     
  • HANG SENG

    28.755,34
    +133,42 (+0,47%)
     
  • NIKKEI

    29.188,17
    +679,62 (+2,38%)
     
  • NASDAQ

    13.924,25
    +5,00 (+0,04%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,5963
    -0,1057 (-1,58%)
     

Comércio e serviços pressionam por proposta de Major Olímpio na reforma tributária

JOANA CUNHA
·1 minuto de leitura
**ARQUIVO** SÃO PAULO, SP, 26-09-2018: Major Olimpio posa para foto em padaria na zona sul da cidade. (Foto: Rafael Hupsel/Folhapress)
**ARQUIVO** SÃO PAULO, SP, 26-09-2018: Major Olimpio posa para foto em padaria na zona sul da cidade. (Foto: Rafael Hupsel/Folhapress)

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - O vice-presidente da Câmara, Marcelo Ramos, marcou uma reunião nesta quinta (25) com Gabriel Kanner, presidente do grupo de empresários Brasil 200, Marcos Cintra, ex-secretário da Receita, João Diniz, presidente da Cebrasse (entidade do setor de serviços) e outros representantes setoriais, que querem voltar a falar de reforma tributária.

O grupo afirma que o objetivo é discutir a proposta do Simplifica Já, adotada no Congresso pelo senador Major Olímpio, que morreu neste mês, vítima da Covid-19.

A medida, que prevê a uniformização de ISS e ICMS, recebeu apoio de cerca de 120 entidades ligadas a setores como ensino, saúde e comércio, segundo os organizadores.

O encontro online, que é o primeiro do grupo com o atual comando da Câmara, é visto como uma nova abertura para pressionarem por suas ideias na reforma tributária, porque eles combatem a PEC 45, defendida pela gestão anterior, de Rodrigo Maia, que fechou as portas para propostas do grupo como a volta da CPMF.