Mercado abrirá em 2 h 26 min
  • BOVESPA

    120.933,78
    -180,15 (-0,15%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    48.072,62
    -654,36 (-1,34%)
     
  • PETROLEO CRU

    64,00
    +0,62 (+0,98%)
     
  • OURO

    1.768,30
    -2,30 (-0,13%)
     
  • BTC-USD

    55.800,48
    -1.199,68 (-2,10%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.259,48
    -39,48 (-3,04%)
     
  • S&P500

    4.163,26
    -22,21 (-0,53%)
     
  • DOW JONES

    34.077,63
    -123,04 (-0,36%)
     
  • FTSE

    6.934,69
    -65,39 (-0,93%)
     
  • HANG SENG

    29.135,73
    +29,58 (+0,10%)
     
  • NIKKEI

    29.100,38
    -584,99 (-1,97%)
     
  • NASDAQ

    13.839,25
    -58,00 (-0,42%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,6841
    +0,0084 (+0,13%)
     

Comércio diz que vendas caíram em março e pede mais ajuda do governo

·1 minuto de leitura

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - A ACSP (Associação Comercial de São Paulo) divulga nesta sexta-feira (19) um levantamento sobre a queda nas vendas de lojas físicas após as novas medidas de restrição de circulação para tentar frear o estado atual da pandemia. A entidade, que pede mais medidas de apoio do governo aos comerciantes, diz que, em março, as vendas foram quase 19% menores do que em fevereiro. O desempenho piorou no período de 6 a 15 de março, chegando a menos 30,5% em relação à semana anterior. Quando a comparação é feita com o mesmo período do ano passado, o tombo também fica em torno de 30%, segundo a entidade. Os dados não incluem as vendas pela internet. “Esses índices mostram que os comerciantes no geral foram fortemente afetados pelas restrições, o que coloca em risco a sobrevivência de muitas empresas”, diz o economista da ACSP, Marcel Solimeo. Na segunda-feira (15), quando começou a fase emergencial, a associação disse ao Painel S.A. que concorda com a necessidade das restrições para conter o vírus e que não tentaria negociar a reabertura, mas que a ajuda oferecida tem sido insuficiente para suportar os pequenos negócios.