Mercado fechado
  • BOVESPA

    111.923,93
    +998,33 (+0,90%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.234,37
    -223,18 (-0,43%)
     
  • PETROLEO CRU

    80,34
    -0,88 (-1,08%)
     
  • OURO

    1.811,40
    -3,80 (-0,21%)
     
  • BTC-USD

    17.027,00
    +84,74 (+0,50%)
     
  • CMC Crypto 200

    404,33
    +2,91 (+0,72%)
     
  • S&P500

    4.071,70
    -4,87 (-0,12%)
     
  • DOW JONES

    34.429,88
    +34,87 (+0,10%)
     
  • FTSE

    7.556,23
    -2,26 (-0,03%)
     
  • HANG SENG

    18.675,35
    -61,09 (-0,33%)
     
  • NIKKEI

    27.777,90
    -448,18 (-1,59%)
     
  • NASDAQ

    11.979,00
    -83,75 (-0,69%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,4940
    +0,0286 (+0,52%)
     

Comércio deve ter dado impulso à economia dos EUA no 3º tri

Navio cargueiro perto do porto de Oakland, Califórnia, nos EUA

Por Lucia Mutikani

WASHINGTON (Reuters) - O crescimento econômico dos Estados Unidos provavelmente se recuperou no terceiro trimestre, impulsionado pela queda do déficit comercial, mas isso exageraria a saúde da economia já que as altas agressivas da taxa de juros pelo Federal Reserve diminui a demanda.

Os dados do Departamento do Comércio sobre o Produto Interno Bruto no terceiro trimestre, a serem divulgados nesta quinta-feira, devem mostrar que a demanda ficou estável no último trimestre, em meio a uma desaceleração dos gastos dos consumidores e um crescimento moderado do investimento empresarial.

Ainda assim, a recuperação esperada do crescimento após duas quedas trimestrais consecutivas do PIB seria mais uma evidência de que a economia não está em recessão, embora os riscos de uma retração tenham aumentado à medida que o Fed eleva os juros para combater a inflação.

"O diabo está nos detalhes, e se você tirar o comércio, o PIB parecerá muito mais fraco do que o número principal sugere", disse Ryan Sweet, economista sênior da Moody's Analytics. "Não temos uma recessão em nosso cenário básico, mas os riscos estão aumentando. Vamos precisar de um pouco de sorte."

De acordo com uma pesquisa da Reuters com economistas, o crescimento do PIB provavelmente se recuperou a uma taxa anualizada de 2,4% no último trimestre, após contração a um ritmo de 0,6% no segundo trimestre.

As estimativas variavam de 0,8% a 3,7%.

O déficit comercial parece ter diminuído drasticamente, em parte porque a diminuição da demanda reduziu a conta de importação. As exportações também aumentaram durante grande parte do último trimestre. Os economistas estimam que a diferença comercial menor acrescentou até 3,0 pontos percentuais ao crescimento do PIB.

Os dados terão pouco impacto sobre a política monetária, com as autoridades do Fed observando os dados de setembro do índice de preços PCE e os números do terceiro trimestre do custo da mão de obra, a serem publicados na sexta-feira, antes de sua reunião de política monetária de 1 a 2 de novembro.