Mercado fechado

Comércio deve faturar R$ 3,67 bi na Black Friday, estima CNC

Arícia Martins

Segundo a Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo, seria o maior faturamento para a data em dez anos A Black Friday deste ano deve movimentar R$ $ 3,67 bilhões em vendas, o que seria o maior faturamento para a data em dez anos, segundo estimativa da Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC) divulgada nesta terça-feira (19) pela entidade. O montante representaria alta de 10,5% em relação a 2018, ou expansão de 6,8%, se descontada a inflação.

Para a CNC, os itens mais consumidos serão eletroeletrônicos e utilidade domésticas, que deve faturar R$ 929,4 milhões. Depois desse setor, os destaques devem ser os ramos de supermercados e de móveis eletrodomésticos, com faturamento de R$ 899,3 milhões e R$ 845,5 milhões, respectivamente.

O aumento das vendas no comércio eletrônico é um dos motivos que explica a alta do faturamento na Black Friday, de acordo com Fabio Bentes, economista da confederação. “A facilidade de comparação de preços on-line em uma data comemorativa caracterizada pelo forte apelo às promoções evidencia a tendência de aumento expressivo deste evento do calendário do varejo”, afirmou.

Segundo a CNC, a data de promoções, realizada sempre na última sexta de novembro, já é a quinta mais importante do ano para o comércio do país, atrás do Natal, Dia das Mães, Dia das Crianças e Dia dos Pais. A inflação mais baixa — nos 12 meses encerrados em outubro, o IPCA subiu 2,54% — e a maior demanda por crédito também devem impulsionar o consumo na Black Friday de 2019, acrescentou a entidade.