Mercado fechado
  • BOVESPA

    107.751,69
    +892,82 (+0,84%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.730,80
    +125,24 (+0,25%)
     
  • PETROLEO CRU

    72,38
    +2,89 (+4,16%)
     
  • OURO

    1.784,80
    +5,30 (+0,30%)
     
  • BTC-USD

    50.878,85
    +1.563,91 (+3,17%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.309,58
    -11,70 (-0,89%)
     
  • S&P500

    4.687,45
    +95,78 (+2,09%)
     
  • DOW JONES

    35.725,44
    +498,41 (+1,41%)
     
  • FTSE

    7.339,90
    +107,62 (+1,49%)
     
  • HANG SENG

    23.983,66
    +634,28 (+2,72%)
     
  • NIKKEI

    28.455,60
    +528,23 (+1,89%)
     
  • NASDAQ

    16.335,50
    +492,75 (+3,11%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3303
    -0,0933 (-1,45%)
     

Colnago assume lugar de Funchal e será novo secretário de Tesouro e Orçamento

·3 min de leitura
BRASÍLIA, DF,  BRASIL,  22-10-2021, O presidente Jair Bolsonaro e o ministro da Economia Paulo Guedes durante coletiva de imprensa na tarde de hoje, na sede do ministério. (Foto: Pedro Ladeira/Folhapress
BRASÍLIA, DF, BRASIL, 22-10-2021, O presidente Jair Bolsonaro e o ministro da Economia Paulo Guedes durante coletiva de imprensa na tarde de hoje, na sede do ministério. (Foto: Pedro Ladeira/Folhapress

BRASÍLIA, DF (FOLHAPRESS) - O chefe da assessoria especial de relações institucionais do ministro Paulo Guedes (Economia) e ex-ministro do Planejamento, Esteves Colnago, assumirá o cargo de secretário especial de Tesouro e Orçamento no lugar de Bruno Funchal.

Colnago assume o principal cargo da área fiscal do Ministério da Economia após uma debandada de secretários de Guedes em meio a uma operação do governo para driblar a regra constitucional do teto de gastos e turbinar despesas no ano eleitoral de 2022.

A escolha foi confirmada nesta sexta-feira (22) por Guedes, que prometeu passe livre para Colnago escolher quem será o próximo secretário do Tesouro Nacional (comandado por Jeferson Bittencourt, que também pediu demissão).

Colnago escolheu Paulo Valle, ex-subsecretário da dívida pública, para comandar o Tesouro Nacional.

O secretário especial de Relações Governamentais da Casa Civil, Bruno Grossi, era cotado para ocupar o posto. Servidor de carreira do ministério, ele já foi subsecretário de Gestão Orçamentária durante o governo Temer e, em janeiro de 2019, passou a atuar no Planalto.

Segundo auxiliares palacianos, ele conta com a simpatia do presidente Jair Bolsonaro, mas a palavra final seria da Economia.

O texto final da PEC dos Precatórios, com a manobra para mudar o cálculo do teto de gastos, foi finalizado por Grossi no Planalto, de acordo com detalhes verificados pela reportagem no documento apresentado a líderes do Congresso.

O secretário da Casa Civil estava no Ministério da Economia durante a coletiva de imprensa de Guedes e Bolsonaro na tarde desta sexta-feira. Ele chegou a sentar na mesa ao lado do presidente e do ministro, a convite do mandatário.

Antes de chegar ao atual posto, Colnago já tinha sido secretário especial adjunto de Fazenda (atual Tesouro e Orçamento) na época do então secretário especial Waldery Rodrigues. Guedes já cogitava Colnago para assumir o posto de Waldery há mais de um ano, o que acaba se concretizando apenas agora.

Servidor de carreira (analista do Banco Central), Colnago foi promovido de secretário-executivo a ministro do Planejamento durante o governo de Michel Temer após a queda do então chefe da pasta, Romero Jucá (MDB-RR).

Colnago já passou por diferentes funções na equipe econômica, inclusive no Tesouro. Ele é mestre em Ciências Econômicas pela UnB (Universidade de Brasília) e especialista em contabilidade pública.

Ele também ocupou a presidência dos Conselhos de Administração da Casa da Moeda, de Recursos do Sistema Financeiro Nacional e de Administração do BNDES (Banco Nacional do Desenvolvimento Econômico e Social).

Colnago acompanhou a votação nesta quinta da PEC (proposta de emenda à Constituição) que flexibiliza o teto de gastos e adia o pagamento de precatórios —dívidas da União reconhecidas pela Justiça.

A costura da versão mais recente dessa PEC, que deve ser analisada pelo plenário da Câmara na próxima semana, resultou numa debandada no Ministério da Economia em meio à votação da proposta na comissão especial criada para analisar o assunto.

Colnago é conhecido no Congresso pelo trânsito político e capacidade de articulação com as bancadas —inclusive com mais experiência que Funchal.

No cargo, Colnago terá a chave dos cofres públicos e cuidará das negociações finais do projeto de Orçamento do próximo ano, alvo de pressão da ala política do governo e do Congresso por mais gastos às vésperas da eleição.

O acordo entre o Palácio do Planalto e partidos aliados para reformular o cálculo do teto de gastos (e, na prática, ampliar o limite das despesas) alivia a pressão sobre o Orçamento de 2022, e abre espaço para demandas da classe política (inclusive da base de Bolsonaro no Congresso).

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos