Mercado fechado
  • BOVESPA

    129.441,03
    -635,14 (-0,49%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.286,46
    +400,13 (+0,79%)
     
  • PETROLEO CRU

    70,78
    +0,49 (+0,70%)
     
  • OURO

    1.879,50
    -16,90 (-0,89%)
     
  • BTC-USD

    35.493,09
    -1.231,47 (-3,35%)
     
  • CMC Crypto 200

    924,19
    -17,62 (-1,87%)
     
  • S&P500

    4.247,44
    +8,26 (+0,19%)
     
  • DOW JONES

    34.479,60
    +13,36 (+0,04%)
     
  • FTSE

    7.134,06
    +45,88 (+0,65%)
     
  • HANG SENG

    28.842,13
    +103,25 (+0,36%)
     
  • NIKKEI

    28.948,73
    -9,83 (-0,03%)
     
  • NASDAQ

    13.992,75
    +33,00 (+0,24%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,1926
    +0,0391 (+0,64%)
     

Colheita tardia de cana no Brasil pode reduzir perdas da safra

·2 minuto de leitura

(Bloomberg) -- A decisão das usinas brasileiras de atrasar a colheita de cana-de-açúcar pode acabar reduzindo as perdas da safra, depois que as plantações conseguiram se desenvolver após o impacto da seca.

Essa é a análise de Plinio Nastari, presidente da Datagro, que prevê uma queda menor da produção na região Centro-Sul do que outros analistas, como da BP-Bunge, Tropical Research Services e Itaú BBA, além da trading Wilmar International.

Os mercados analisam as perspectivas para o Brasil, o maior exportador de açúcar, para saber se o equilíbrio global da commodity resultará em déficit após a queda causada por safras fracas na Ásia. O açúcar acumula alta de quase 60% no último ano, proporcionando preços quase recordes para produtores brasileiros com sinais de que a demanda se manteve forte na pandemia e a preocupação crescente de que a estiagem no país reduzirá a oferta.

Embora a seca em abril tenha atrasado o desenvolvimento dos canaviais, chuvas abundantes em março amenizaram o impacto. Combinado com a estratégia das usinas de atrasar a moagem, isso terá efeito compensatório no desenvolvimento e produtividade, disse Nastari. Até o fim de abril, 199 usinas processavam a matéria-prima em comparação com 217 no mesmo período do ano passado, e outras 30 devem começar na primeira quinzena de maio, segundo dados da Unica.

A produção de açúcar no Centro-Sul pode cair 7,8% em 2021-22 em relação à temporada anterior, para 36,3 milhões de toneladas. A moagem de cana pode encolher 5,3%, para 572 milhões de toneladas, disse Nastari antes de apresentar os números durante uma conferência anual do setor coorganizada virtualmente este ano com a Organização Internacional do Açúcar.

As projeções da Datagro pressupõem um declínio no teor de sacarose, e que as usinas irão desviar 47,2% do caldo da cana para produzir açúcar, em comparação com 46,07% na temporada anterior.

Nastari disse que a empresa espera mais dados sobre o clima nas próximas semanas, “o que deve determinar o destino da safra”.

Os preços estão altos e a demanda por etanol é firme, principalmente por anidro, o tipo usado na mistura da gasolina. Esse dado é importante, porque mostra que a demanda geral por combustíveis se recuperou totalmente, e produtores fazem todo o possível para aumentar a oferta do biocombustível, de acordo com Nastari.

O Centro-Sul deve produzir 28,47 bilhões de litros de etanol em 2021-22, sendo 3,4 bilhões à base de milho, segundo a Datagro. Um ano antes, o biocombustível produzido a partir da cana somou 25,06 bilhões de litros, disse Nastari.

More stories like this are available on bloomberg.com

Subscribe now to stay ahead with the most trusted business news source.

©2021 Bloomberg L.P.