Mercado abrirá em 2 h 41 min
  • BOVESPA

    119.297,13
    +485,13 (+0,41%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    47.503,71
    +151,51 (+0,32%)
     
  • PETROLEO CRU

    61,21
    +1,03 (+1,71%)
     
  • OURO

    1.743,80
    -3,80 (-0,22%)
     
  • BTC-USD

    64.069,45
    +1.452,65 (+2,32%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.379,79
    +85,80 (+6,63%)
     
  • S&P500

    4.141,59
    +13,60 (+0,33%)
     
  • DOW JONES

    33.677,27
    -68,13 (-0,20%)
     
  • FTSE

    6.907,65
    +17,16 (+0,25%)
     
  • HANG SENG

    28.900,83
    +403,58 (+1,42%)
     
  • NIKKEI

    29.620,99
    -130,61 (-0,44%)
     
  • NASDAQ

    13.997,25
    +21,50 (+0,15%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,8341
    +0,0029 (+0,04%)
     

Colheita de soja no Brasil atinge 76,2% das áreas de 2020/21, diz Safras

·1 minuto de leitura
Colheita de soja em Campo Verde (MT)

SÃO PAULO (Reuters) - A colheita de soja 2020/21 do Brasil, maior produtor e exportador global da commodity, chegou a 76,2% das áreas, estimou a consultoria Safras & Mercado nesta quinta-feira, ante 66,9% na semana anterior e próxima da média histórica para o período.

Neste momento da temporada passada, quando os trabalhos estavam adiantados, a colheita já atingia 82,2% das lavouras. Na média história, porém, o percentual é de 76,9%.

Isso mostra que os produtores conseguiram acelerar os trabalhos em março, depois de um início de colheita atrasado por um plantio tardio e chuvas excessivas entre janeiro e fevereiro. As condições climáticas do mês passado também contribuíram para a retirada dos grãos em diversos Estados produtores.

Em Mato Grosso e no Paraná, dois dos principais Estados para a oleaginosa, o ritmo de colheita superou a média histórica, mostraram os dados da consultoria.

Os trabalhos alcançaram 99% das lavouras mato-grossenses, ante 98,3% na média dos últimos cinco anos. Na temporada 2019/20, neste período, a colheita já estava concluída.

Já no Paraná, um dos mais afetados pelo atraso e pelas chuvas desde que a colheita começou, o percentual chegou a 90% até esta quinta-feira, atrás dos 95% de um ano antes, mas acima da média histórica de 88,8%.

(Por Nayara Figueiredo)