Mercado fechado
  • BOVESPA

    117.669,90
    -643,33 (-0,54%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    47.627,67
    -560,48 (-1,16%)
     
  • PETROLEO CRU

    59,34
    -0,26 (-0,44%)
     
  • OURO

    1.744,10
    -14,10 (-0,80%)
     
  • BTC-USD

    60.676,89
    +2.022,44 (+3,45%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.235,89
    +8,34 (+0,68%)
     
  • S&P500

    4.128,80
    +31,63 (+0,77%)
     
  • DOW JONES

    33.800,60
    +297,03 (+0,89%)
     
  • FTSE

    6.915,75
    -26,47 (-0,38%)
     
  • HANG SENG

    28.698,80
    -309,27 (-1,07%)
     
  • NIKKEI

    29.768,06
    +59,08 (+0,20%)
     
  • NASDAQ

    13.811,00
    +63,25 (+0,46%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,7625
    +0,1276 (+1,92%)
     

Colheita de soja chega a 80% da safra 2020/21 em MT; plantio de milho vai a 88%

·1 minuto de leitura
Caminhão é carregado com soja em uma fazenda em Mato Grosso, no Brasil

SÃO PAULO (Reuters) - A colheita de soja em Mato Grosso avançou para 80,16% da área do maior Estado produtor da oleaginosa no país, alta de 13 pontos em uma semana, apesar de chuvas que dificultam os trabalhos em algumas regiões, apontou o Instituto Mato-grossense de Economia Agropecuária (Imea) nesta sexta-feira.

Segundo dados do instituto, a colheita está 16,7 pontos atrás do registrado no mesmo período de 2019/20 e tem atraso de 8 pontos ante a média histórica para esta época do ano, após um plantio tardio afetado pela seca e chuvas desde janeiro que tornaram mais lento o processo de retirada dos grãos do campo.

O plantio do milho, realizado na sequência da colheita da soja, alcançou 88,32% da área, crescimento de 15,29 pontos percentuais no comparativo semanal.

Em relação ao mesmo período de 2019/20, no entanto, há um atraso na semeadura da segunda safra de 11,29 pontos, informou o Imea.

Mais cedo, a ministra da Agricultura, Tereza Cristina, disse em um evento online que o governo brasileiro está preocupado com as fortes chuvas no país que estão atrapalhando o plantio da segunda safra de milho e jogam os trabalhos cada vez mais para fora da janela ideal.

Também nesta sexta-feira, a consultoria Pátria AgroNegócios reduziu sua projeção para a produção nacional do cereal na "safrinha", dizendo que a produtividade seria comprometida pela falta de plantio dentro do cronograma adequado.

Quanto mais a semedura avança no mês de março, maiores são os riscos climáticos, como seca e geadas no início do inverno, além da necessidade de boas chuvas entre abril e maio.

(Por Nayara Figueiredo)