Mercado abrirá em 6 h 15 min
  • BOVESPA

    110.035,17
    -2.220,83 (-1,98%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    44.592,91
    +282,61 (+0,64%)
     
  • PETROLEO CRU

    62,48
    +0,98 (+1,59%)
     
  • OURO

    1.753,20
    +24,40 (+1,41%)
     
  • BTC-USD

    46.007,33
    +847,97 (+1,88%)
     
  • CMC Crypto 200

    918,78
    -14,36 (-1,54%)
     
  • S&P500

    3.811,15
    -18,19 (-0,48%)
     
  • DOW JONES

    30.932,37
    -469,63 (-1,50%)
     
  • FTSE

    6.483,43
    -168,53 (-2,53%)
     
  • HANG SENG

    29.343,22
    +363,01 (+1,25%)
     
  • NIKKEI

    29.663,50
    +697,49 (+2,41%)
     
  • NASDAQ

    13.055,25
    +144,25 (+1,12%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,7601
    +0,0018 (+0,03%)
     

Colheita de soja do Brasil soma 2,5 mi t, a mais lenta em 10 anos, diz AgRural

·2 minuto de leitura
Colheita de soja em uma fazenda em Porto Nacional, no Tocantins

SÃO PAULO (Reuters) - A colheita de soja da safra 2020/21 do Brasil somou cerca de 2,5 milhões de toneladas ao final de janeiro, no ritmo mais lento desde a temporada 2010/11, após um atraso no plantio e chuvas recentes terem prejudicado os trabalhos, apontou nesta segunda-feira a consultoria AgRural.

Até a última quinta-feira, a colheita havia atingido 1,9% da área cultivada no Brasil. Uma semana antes, 0,7% da área estava colhida, enquanto na mesma época do ano passado atingia 8,9%.

O atraso na colheita no maior produtor e exportador de soja do mundo tem estressado o mercado, uma vez que a programação de navios nos portos brasileiros para fevereiro indica demanda para exportação de mais de 8 milhões de toneladas de soja.

A maior parte do volume colhido está em Mato Grosso, maior produtor do país, e o volume representa pouco mais de um quinto das 11,7 milhões de toneladas registradas até a mesma data em 2020.

A AgRural havia alertado em outubro do ano passado que janeiro teria pouca soja nova entrando no mercado devido ao atraso no plantio da safra 2020/21.

"Na época, a estimativa era de pouco mais de 3 milhões de toneladas. Agora, com as chuvas contínuas na segunda metade de janeiro e o alongamento do ciclo de parte das lavouras, o total de fato colhido acabou sendo ainda menor do que o previsto três meses atrás", afirmou a consultoria.

Além de dificultar a entrada das máquinas em algumas regiões, as chuvas recentes trazem preocupações em torno da qualidade, devido ao excesso de umidade.

"Essa perda, de fato, existe. Mas, por enquanto, ela é restrita a áreas pontuais, já que, com o atraso da safra, são poucas as lavouras já prontas para colher", explicou, acrescentando que as chuvas de janeiro foram benéficas para o desenvolvimento.

Segundo a consultoria, "caso o padrão de tempo mais fechado se estenda, a colheita poderá sofrer atrasos ainda maiores em fevereiro, com aumento dos casos de perda de qualidade e, em situações mais extremas, redução de produtividade".

Por ora, a AgRural estima a produção de soja do Brasil na safra 2020/21 em 131,7 milhões de toneladas, volume praticamente inalterado em relação à projeção de dezembro.

Em relação ao milho, a Agrural disse que, até quinta-feira, 1,5% da área prevista para a safrinha 2021 de milho estava plantada no centro-sul do Brasil, índice mais baixo para esta época do ano desde 2013, devido ao atraso da safra de soja.

(Por Roberto Samora; edição de Luciano Costa)