Mercado fechado
  • BOVESPA

    110.035,17
    -2.221,19 (-1,98%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    44.592,91
    +282,64 (+0,64%)
     
  • PETROLEO CRU

    61,66
    -1,87 (-2,94%)
     
  • OURO

    1.733,00
    -42,40 (-2,39%)
     
  • BTC-USD

    44.649,88
    -3.033,16 (-6,36%)
     
  • CMC Crypto 200

    912,88
    -20,25 (-2,17%)
     
  • S&P500

    3.811,15
    -18,19 (-0,48%)
     
  • DOW JONES

    30.932,37
    -469,64 (-1,50%)
     
  • FTSE

    6.483,43
    -168,53 (-2,53%)
     
  • HANG SENG

    28.980,21
    -1.093,96 (-3,64%)
     
  • NIKKEI

    28.966,01
    -1.202,26 (-3,99%)
     
  • NASDAQ

    12.905,75
    +74,00 (+0,58%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,7583
    +0,0194 (+0,29%)
     

Colheita de soja do Brasil avança a 15%, mas segue atrasada, diz AgRural

·2 minuto de leitura
Vagens de soja

SÃO PAULO (Reuters) - A colheita de soja 2020/21 do Brasil atingiu 15% das áreas até a última quinta-feira e segue com os trabalhos mais lentos em dez anos, estimou a consultoria AgRural nesta segunda-feira.

No comparativo semanal, a colheita do maior produtor e exportador global da oleaginosa avançou 6 pontos percentuais. No entanto, no mesmo período da safra anterior, os trabalhos estavam em 31%.

"Apesar do avanço mais acelerado observado nas duas últimas semanas, os 15% colhidos até agora são o índice mais baixo para meados de fevereiro em dez anos, impactando logística e exportações", afirmou a consultoria em nota.

Diante da previsão de chuvas em grande parte do Centro-Oeste, Norte e Nordeste do Brasil nesta segunda quinzena de fevereiro, e expectativas de mais precipitações ao menos até os primeiros dias de março, produtores avançaram com as colheitadeiras mesmo em áreas onde o grão está com excesso de umidade, na tentativa de evitar perdas de qualidade mais adiante, disse a AgRural.

No sul de Mato Grosso do Sul, a semana foi de tempo mais firme, mas a colheita seguiu lenta, com poucas áreas prontas devido ao plantio atrasado e ao alongamento do ciclo das lavouras. O mesmo cenário foi visto nos Estados da região Sul do país.

"No Rio Grande do Sul, onde ainda não há colheita, os produtores monitoram a previsão de tempo mais seco até o começo de março, mas o solo ainda tem umidade e, por enquanto, não há risco de perda significativa de produtividade", destacou a consultoria.

Já o plantio de milho, realizado imediatamente após a retirada da soja do campo, atingiu 24% da área prevista para o centro-sul até quinta-feira (18). Trata-se de um avanço sobre os 11% vistos uma semana antes, mas ainda bem atrás dos 51% registrados no mesmo período do ano passado.

Apesar do atraso e dos problemas climáticos, a projeção mais recente da AgRural indica recorde de produção de soja na safra 2020/21 do Brasil, em 131,7 milhões de toneladas.

(Por Nayara Figueiredo)