Mercado fechará em 1 h 47 min
  • BOVESPA

    108.864,23
    +1.034,50 (+0,96%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    52.925,69
    -409,82 (-0,77%)
     
  • PETROLEO CRU

    77,72
    +0,58 (+0,75%)
     
  • OURO

    1.887,30
    +2,50 (+0,13%)
     
  • BTC-USD

    22.936,57
    -56,29 (-0,24%)
     
  • CMC Crypto 200

    528,48
    -8,41 (-1,57%)
     
  • S&P500

    4.124,08
    -39,92 (-0,96%)
     
  • DOW JONES

    33.989,07
    -167,62 (-0,49%)
     
  • FTSE

    7.885,17
    +20,46 (+0,26%)
     
  • HANG SENG

    21.283,52
    -15,18 (-0,07%)
     
  • NIKKEI

    27.606,46
    -79,01 (-0,29%)
     
  • NASDAQ

    12.565,75
    -211,00 (-1,65%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,6061
    +0,0290 (+0,52%)
     

Coleira com inseticida pode proteger cães contra leishmaniose visceral

Em novo estudo publicado na revista científica Acta Tropica, pesquisadores se certificaram de que uma coleira impregnada com inseticida é capaz de proteger o cachorro contra a leishmaniose visceral. No entanto, ao mesmo tempo, aumenta as chances de transmissão da doença para os cães que estiverem por perto.

Essa doença é transmitida pela picada do mosquito Lutzomyia longipalpis (conhecido como mosquito-palha), e o cachorro costuma ser o alvo principal. Nos humanos, os sintomas envolvem febre de longa duração, aumento do fígado e do baço, perda de peso e da força muscular, fraqueza e anemia. O alerta é que a condição pode até mesmo causar morte, caso não seja realizado tratamento.

Para o estudo, os autores acompanharam 2.228 cães encoleirados e não encoleirados. Basicamente, a ideia era entender se as coleiras poderiam proteger igualmente os cães de diferentes áreas e o que aconteceria com os cães que não estavam encoleirados e que moravam perto dessas áreas.

O artigo menciona que a incidência da doença foi baixa no grupo dos cães encoleirados: 1,40%. Já no grupo dos cães vizinhos (não encoleirados) a taxa foi alta, de 6,02%. Em condições normais, essa incidência deveria ficar em torno de 3,78%, o que significa que a proteção ao mesmo tempo aumenta as chances de infecção dos cachorros próximos, que não estejam usando a coleira.

Coleira com inseticida pode proteger cães contra leishmaniose visceral (Imagem: Zinkevych_D/Envato)
Coleira com inseticida pode proteger cães contra leishmaniose visceral (Imagem: Zinkevych_D/Envato)

Os pesquisadores ainda afirmam que a eficácia da proteção foi mais notável nas áreas de baixa renda (76%), em comparação com as áreas de alta renda (45%). Na prática, as coleiras foram impregnadas com deltametrina, substância com efeito inseticida e também repelente.

Os próximos passos envolvem reduzir essa desvantagem inicial para os cães próximos não encoleirados. A estimativa é acabar com isso à medida em que a estratégia de controle da transmissão canina inclua o uso contínuo e massivo das coleiras. Conforme sugerem os autores do artigo, o uso da coleira pode ser implementado e pensado como política pública no Brasil.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech: