Mercado abrirá em 19 mins
  • BOVESPA

    106.667,66
    +293,79 (+0,28%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    53.232,20
    -741,07 (-1,37%)
     
  • PETROLEO CRU

    86,41
    +0,98 (+1,15%)
     
  • OURO

    1.819,30
    +6,90 (+0,38%)
     
  • BTC-USD

    41.926,96
    +139,64 (+0,33%)
     
  • CMC Crypto 200

    995,21
    -14,18 (-1,40%)
     
  • S&P500

    4.577,11
    -85,74 (-1,84%)
     
  • DOW JONES

    35.368,47
    -543,34 (-1,51%)
     
  • FTSE

    7.578,51
    +14,96 (+0,20%)
     
  • HANG SENG

    24.127,85
    +15,07 (+0,06%)
     
  • NIKKEI

    27.467,23
    -790,02 (-2,80%)
     
  • NASDAQ

    15.227,75
    +21,75 (+0,14%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3228
    +0,0157 (+0,25%)
     

Colômbia testa mercado para petróleo neutro em carbono

·1 min de leitura

(Bloomberg) -- Produtora de um petróleo pesado e sulfuroso, a Colômbia tenta vender petróleo neutro em carbono, testando o apetite do mercado pelo produto mais sustentável.

Most Read from Bloomberg

A estatal Ecopetrol está oferecendo até 1 milhão de barris, segundo documentação interna à qual a Bloomberg teve acesso. As emissões futuras desse petróleo serão compensadas por créditos de carbono referentes a projetos de energia renovável na Colômbia.

A Ecopetrol segue os passos da Occidental Petroleum, que vendeu um carregamento do chamado petróleo neutro em carbono dos EUA para a refinaria indiana Reliance Industries em fevereiro.

Em movimento semelhante em setembro, a japonesa Inpex vendeu gás natural liquefeito compensado por créditos de carbono gerados por projetos como a preservação de florestas na Indonésia.

A colombiana está testando o mercado para o petróleo neutro em carbono e, dependendo do interesse dos compradores, pretende oferecer esses carregamentos regularmente, segundo uma pessoa com conhecimento do plano.

A empresa não retornou imediatamente uma ligação e um e-mail da reportagem solicitando comentários. Os lances precisam ser apresentados até quinta-feira e a carga será embarcada em fevereiro.

Termos como “carbono neutro” e “net zero” implicam compensar as emissões removendo uma quantidade equivalente de carbono da atmosfera.

Cientistas ligados a órgãos climáticos como a iniciativa Science-Based Targets, apoiada pelas Nações Unidas, afirmam que medidas como a prevenção do desmatamento ou o apoio a projetos de energia renovável contribuem pouco para a extração de carbono adicional do ar e não devem embasar argumentos de emissão líquida zero.

Most Read from Bloomberg Businessweek

©2021 Bloomberg L.P.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos