Mercado fechado
  • BOVESPA

    108.523,47
    -1.617,17 (-1,47%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    54.049,05
    +174,14 (+0,32%)
     
  • PETROLEO CRU

    73,23
    -2,65 (-3,49%)
     
  • OURO

    1.877,70
    -53,10 (-2,75%)
     
  • BTC-USD

    23.309,11
    -236,22 (-1,00%)
     
  • CMC Crypto 200

    535,42
    -1,43 (-0,27%)
     
  • S&P500

    4.136,48
    -43,28 (-1,04%)
     
  • DOW JONES

    33.926,01
    -127,93 (-0,38%)
     
  • FTSE

    7.901,80
    +81,64 (+1,04%)
     
  • HANG SENG

    21.660,47
    -297,89 (-1,36%)
     
  • NIKKEI

    27.509,46
    +107,41 (+0,39%)
     
  • NASDAQ

    12.616,50
    -230,25 (-1,79%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,5385
    +0,0488 (+0,89%)
     

Colômbia registra inflação anual mais alta em duas décadas

A Colômbia registrou uma inflação anual de 13,1% em 2022, a maior desde 1999, informou nesta quinta-feira o Departamento Administrativo Nacional de Estatística (Dane).

“Estávamos há mais de 21 anos sem registrar níveis de inflação como o que estamos vivendo no país", disse a diretora do Dane, Piedad Urdinola, em entrevista coletiva. Apenas em março de 1999 a Colômbia registrou "um nível de inflação semelhante", de 13,9% em 12 meses, destacou.

A inflação ao fim de 2022 ficou acima da meta do Banco de la República (emissor), de 3%. O aumento dos preços coincide com a tendência da economia mundial, atingida pela guerra na Ucrânia e a escalada dos custos da energia, os problemas ligados às cadeias de abastecimento afetadas pela pandemia, e um período de taxas de juros extremamente baixas, que estimulou o consumo.

A diretora do Dane destacou os estragos causados pelo aumento da cotação do dólar na Colômbia, onde a moeda local se desvalorizou em novembro a mínimas históricas.

Pela primeira vez governado pela esquerda, o país registra uma taxa de desemprego urbano (referência nacional) de 9,9%, e quase 40% de seus 50 milhões de habitantes vivem na pobreza. O ministro da Fazenda, José Antonio Ocampo, estabeleceu como meta para 2023 reduzir a inflação.

das/lv/mr/lb