Mercado fechado
  • BOVESPA

    129.441,03
    -635,14 (-0,49%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.286,46
    +400,13 (+0,79%)
     
  • PETROLEO CRU

    70,78
    +0,49 (+0,70%)
     
  • OURO

    1.879,50
    -16,90 (-0,89%)
     
  • BTC-USD

    35.147,89
    -70,58 (-0,20%)
     
  • CMC Crypto 200

    924,19
    -17,62 (-1,87%)
     
  • S&P500

    4.247,44
    +8,26 (+0,19%)
     
  • DOW JONES

    34.479,60
    +13,36 (+0,04%)
     
  • FTSE

    7.134,06
    +45,88 (+0,65%)
     
  • HANG SENG

    28.842,13
    +103,25 (+0,36%)
     
  • NIKKEI

    28.948,73
    -9,83 (-0,03%)
     
  • NASDAQ

    13.992,75
    +33,00 (+0,24%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,1926
    +0,0391 (+0,64%)
     

Colômbia reabre fronteiras fechadas pela pandemia, exceto com a Venezuela

·2 minuto de leitura
Um profissional de saúde recebe uma dose da vacina Pfizer-BioNTech contra a covid-19 na Clínica Versalles, em Cali, Colômbia, em 19 de fevereiro de 2021

A Colômbia reabriu nesta quarta-feira (19) as fronteiras terrestres, fluviais e marítimas que mantinha fechadas há mais de um ano devido à pandemia, exceto aquelas que compartilha com a Venezuela, informou a chancelaria.

O governo abriu as passagens com Panamá, Peru, Equador e Brasil "a partir da zero hora (2h, horário de Brasília) do dia 19 de maio de 2021", disse o ministério de Relações Exteriores em mensagem à imprensa.

Mesmo com o vírus circulando fortemente, a Colômbia justificou a reabertura como uma forma de “avançar nas medidas que ajudem a reativação econômica” das zonas de fronteira.

A medida não inclui a Venezuela, país com o qual o governo de Iván Duque não mantém relações diplomáticas ou comerciais, apesar de possuir uma fronteira extensa de 2.200 quilômetros, com dezenas de passagens ilegais controladas por contrabandistas e grupos armados.

Caracas rompeu relações diplomáticas com Bogotá em fevereiro de 2019, depois que Iván Duque reconheceu o opositor Juan Guaidó como presidente encarregado da Venezuela em detrimento de Nicolás Maduro, a quem considera um "ditador".

A Colômbia lidera a pressão diplomática na região para retirar o líder chavista do poder e é o principal destinatário dos 5,4 milhões de venezuelanos que fugiram da crise econômica em seu país desde 2015.

O governo colombiano iniciou este mês um processo para regularizar cerca de um milhão de imigrantes sem documentos nos próximos dez anos.

O fechamento das passagens de fronteira foi decretado inicialmente em 16 de março de 2020, dez dias após o primeiro caso de coronavírus ter sido registrado no país de 50 milhões de habitantes.

Com mais de três milhões de infecções e 82.291 mortes por covid-19, a Colômbia é o sexto país com mais casos e o quarto em número de mortes em proporção à sua população na América Latina e no Caribe, de acordo com uma contagem da AFP.

dl/vel/mls/ap/mvv