Mercado fechado
  • BOVESPA

    102.224,26
    -3.586,74 (-3,39%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    49.492,52
    -1.132,48 (-2,24%)
     
  • PETROLEO CRU

    71,16
    +3,01 (+4,42%)
     
  • OURO

    1.795,90
    +7,80 (+0,44%)
     
  • BTC-USD

    57.311,95
    +2.593,18 (+4,74%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.365,60
    -89,81 (-6,17%)
     
  • S&P500

    4.594,62
    -106,84 (-2,27%)
     
  • DOW JONES

    34.899,34
    -905,06 (-2,53%)
     
  • FTSE

    7.044,03
    -266,34 (-3,64%)
     
  • HANG SENG

    24.080,52
    -659,68 (-2,67%)
     
  • NIKKEI

    28.751,62
    0,00 (0,00%)
     
  • NASDAQ

    16.200,50
    +149,50 (+0,93%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3069
    -0,0416 (-0,66%)
     

Colômbia prevê influxo de imigrantes com reabertura de fronteira da Venezuela

·1 min de leitura
Imigrantes cruzam fronteira entre Venezuela e Colômbia

Por Oliver Griffin

CHUSACA, Colômbia (Reuters) - Abrigos da Colômbia estão se preparando para a chegada de números crescentes de imigrantes empobrecidos a pé agora que a Venezuela reabriu sua fronteira com o vizinho andino, muitos deles crianças necessitadas de alimento e cuidado médico, disseram agentes humanitários.

O governo de esquerda do presidente venezuelano Nicolás Maduro disse neste mês que está reabrindo sua fronteira de 2.219 quilômetros com a Colômbia, que foi fechada em 2019 devido a tensões políticas.

O governo colombiano de direita reabriu seu lado da fronteira em junho, tendo mantido-o fechado durante 14 meses em meio à pandemia de coronavírus.

Nesta segunda-feira, um repórter da Reuters na fronteira venezuelana viu dezenas de imigrantes seguindo para a ponte internacional entre os dois países a pé.

Há anos a Colômbia é o principal destino de pessoas que fogem do colapso econômico e social da Venezuela, já abrigando cerca de 1,8 milhão de imigrantes. Mesmo quando a divisa entre os dois países foi fechada oficialmente, milhares de imigrantes rumaram para pontos de travessia remotos e informais.

Muitos deles viajam para destinos na Colômbia ou até mais distantes a pé, apesar das roupas desgastadas e dos buracos nos calçados. Eles costumam transportar malas e precisam se ocupar de crianças, que representam mais de um terço do total, segundo o Comitê Internacional de Resgate, uma organização humanitária global, entre junho e setembro.

(Por Oliver Griffin em Chusaca em Anggy Polanco em San Cristóbal)

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos