Mercado fechado
  • BOVESPA

    121.800,79
    -3.874,54 (-3,08%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.868,32
    -766,28 (-1,48%)
     
  • PETROLEO CRU

    73,81
    +0,19 (+0,26%)
     
  • OURO

    1.812,50
    -18,70 (-1,02%)
     
  • BTC-USD

    41.756,13
    +2.812,10 (+7,22%)
     
  • CMC Crypto 200

    955,03
    +5,13 (+0,54%)
     
  • S&P500

    4.395,26
    -23,89 (-0,54%)
     
  • DOW JONES

    34.935,47
    -149,06 (-0,42%)
     
  • FTSE

    7.032,30
    -46,12 (-0,65%)
     
  • HANG SENG

    25.961,03
    -354,29 (-1,35%)
     
  • NIKKEI

    27.283,59
    -498,83 (-1,80%)
     
  • NASDAQ

    14.966,50
    -71,25 (-0,47%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,1880
    +0,1475 (+2,44%)
     

Colômbia mira estrangeiros para eliminar imposto sobre títulos

·2 minuto de leitura

(Bloomberg) -- O Ministério da Fazenda da Colômbia quer eliminar o imposto retido na fonte pago por investidores estrangeiros de títulos na tentativa de atrair fundos para o mercado de dívida pública, depois que a nota soberana do país foi reduzida para grau especulativo.

O ministério, no projeto de lei tributária revisado a ser apresentado na próxima semana, vai propor cortar o imposto dos atuais 5% para 0% em um mercado onde os estrangeiros detêm cerca de 25% do total de títulos locais em pesos em circulação, ou dívida TES, disse em entrevista o ministro da Fazenda, José Manuel Restrepo.

“Isso tem como objetivo sermos mais atraentes neste momento para a emissão de títulos TES e permanecer no mesmo nível do Peru, Panamá ou Uruguai e sermos mais competitivos”, disse Restrepo.

Em sua recente viagem aos Estados Unidos, o ministro da Fazenda encontrou investidores dispostos a continuar apostando no país andino, apesar de a Colômbia ter perdido o grau de investimento com a S&P Global Ratings e Fitch Ratings, disse Restrepo, acrescentando que o mercado pode estar confiante de que a maior parte da receita incluída na iniciativa tributária será permanente.

Alguns analistas duvidam que a Colômbia consiga atingir a previsão de déficit fiscal de 7% do PIB no próximo ano, já que a maior parte da receita virá de impostos corporativos, que serão pagos principalmente em 2023.

De sua parte, Restrepo disse que o governo continua confiante de que pode atingir essas metas com uma anistia temporária para os colombianos ricos, estratégias contra a evasão fiscal, cortes de gastos e maior receita com os preços do petróleo acima do esperado.

Cada dólar acima da estimativa média de US$ 63 por barril gera uma receita extra de 500 bilhões de pesos (US$ 132 milhões), disse o ministro.

“Apesar da perda do grau de investimento, a Colômbia é um país responsável com suas finanças públicas, com seu crescimento e seu processo de reativação”, disse Restrepo.

Depois que o projeto de lei tributária de seu antecessor foi rejeitado por todos os partidos políticos do país e provocou protestos, Restrepo disse acreditar que a nova reforma ganhará apoio suficiente no Congresso para ser aprovada.

Em relação ao ceticismo sobre o plano para aumentar as alíquotas de impostos corporativos para 35%, o ministro disse que isso não deve afetar a criação de empregos, já que o governo não está cobrando impostos sobre dividendos ou sobre a riqueza.

Além disso, Restrepo observou que, no segundo semestre, o governo deverá receber os recursos da venda da empresa de transmissão de energia Interconexión Eléctrica para a estatal de petróleo Ecopetrol.

More stories like this are available on bloomberg.com

Subscribe now to stay ahead with the most trusted business news source.

©2021 Bloomberg L.P.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos