Mercado fechado
  • BOVESPA

    125.052,78
    -1.093,88 (-0,87%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.268,45
    +27,94 (+0,06%)
     
  • PETROLEO CRU

    72,17
    +0,26 (+0,36%)
     
  • OURO

    1.802,10
    -3,30 (-0,18%)
     
  • BTC-USD

    33.756,58
    +1.114,33 (+3,41%)
     
  • CMC Crypto 200

    786,33
    -7,40 (-0,93%)
     
  • S&P500

    4.411,79
    +44,31 (+1,01%)
     
  • DOW JONES

    35.061,55
    +238,20 (+0,68%)
     
  • FTSE

    7.027,58
    +59,28 (+0,85%)
     
  • HANG SENG

    27.321,98
    -401,86 (-1,45%)
     
  • NIKKEI

    27.548,00
    +159,80 (+0,58%)
     
  • NASDAQ

    15.091,25
    +162,75 (+1,09%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,1216
    +0,0014 (+0,02%)
     

Colômbia envia ministro e CEOs a NY para restaurar confiança

·2 minuto de leitura

(Bloomberg) -- José Manuel Restrepo, ministro da Fazenda da Colômbia, é diplomático quando perguntado sobre a decisão das agências de classificação de risco de rebaixar a nota de crédito do país este ano. “Estavam apenas fazendo seu trabalho”, diz.

Mas então dispara - em tom rápido e um tanto desafiador - uma longa lista de coisas que, segundo o ministro, prova que a Colômbia está fazendo tudo o que a S&P Global Ratings e a Fitch Ratings, além dos investidores, estão pedindo para que o país recupere o status de grau de investimento. Gerar crescimento econômico? Sim. Aumentar a receita tributária? Sim. Administrar o déficit em conta corrente? Sim.

“Estamos dando seguimento a todas as coisas que devemos fazer para continuar a enviar essa mensagem de confiança na economia”, disse em entrevista em Nova York.

É o segundo dia de uma viagem agitada de três dias para Restrepo, que assumiu o cargo em maio quando seu antecessor foi destituído depois que uma proposta de aumento de impostos gerou protestos violentos em um país devastado pela pandemia. O ministro visitou a Cidade do México na terça-feira e estará em Washington na quinta, e trouxe na comitiva CEOs de algumas das maiores empresas da Colômbia - Ecopetrol, Bancolombia, Grupo Nutresa - para participar de algumas das reuniões.

E, embora Restrepo diga que a viagem foi agendada bem antes dos rebaixamentos começarem em maio, está claro que seu objetivo principal é aumentar a confiança dos investidores após as mudanças. Entre os pontos que rapidamente destaca na entrevista: a economia está se recuperando mais rápido do que muitos outros pares, com previsão de crescimento de 6% este ano, após a retração de 7% no ano passado. Mais importante, os esforços para retomar o projeto de lei tributária fracassado estão no caminho certo, dando-lhe confiança de que o Congresso vai aprová-lo até o final de agosto para combater um déficit fiscal que deve responder por 8,6% do PIB este ano.

O ministro foi inflexível ao afirmar que a combinação de políticas que a Colômbia escolheu diante da pandemia - alguns estímulos fiscais de curto prazo seguidos rapidamente por austeridade e aumentos de impostos para estabilizar as finanças - foi a correta, independentemente da recente turbulência social. As coisas teriam sido muito piores se o governo não tivesse adotado as medidas, disse.

“Fizemos tudo o que podíamos”, disse Restrepo, de 50 anos. “E ainda temos que fazer mais.”

O novo plano tributário deve ser muito mais palatável para os colombianos. Por um lado, o governo está descartando as propostas mais impopulares que teriam levado a classe média a pagar mais. Em vez disso, o fardo recairá principalmente sobre os que ganham muito e sobre as empresas, repetiu Restrepo constantemente.

More stories like this are available on bloomberg.com

Subscribe now to stay ahead with the most trusted business news source.

©2021 Bloomberg L.P.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos