Mercado fechado
  • BOVESPA

    113.750,22
    +1.458,62 (+1,30%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    43.646,03
    -288,18 (-0,66%)
     
  • PETROLEO CRU

    46,09
    +0,45 (+0,99%)
     
  • OURO

    1.842,00
    +0,90 (+0,05%)
     
  • BTC-USD

    19.057,00
    +8,71 (+0,05%)
     
  • CMC Crypto 200

    365,19
    -14,05 (-3,71%)
     
  • S&P500

    3.699,12
    +32,40 (+0,88%)
     
  • DOW JONES

    30.218,26
    +248,74 (+0,83%)
     
  • FTSE

    6.550,23
    +59,96 (+0,92%)
     
  • HANG SENG

    26.835,92
    +107,42 (+0,40%)
     
  • NIKKEI

    26.751,24
    -58,13 (-0,22%)
     
  • NASDAQ

    12.509,25
    +47,00 (+0,38%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,2497
    +0,0137 (+0,22%)
     

Colômbia entra em recessão pela primeira vez em duas décadas por pandemia

Lina VANEGAS
·2 minuto de leitura
Garçonete usa máscara em restarante de Bogotá
Garçonete usa máscara em restarante de Bogotá

A Colômbia entrou em recessão pela primeira vez desde 1999 devido à paralisia causada pela pandemia de covid-19, após registrar uma contração de seu Produto Interno Bruto (PIB) pelo segundo trimestre consecutivo.

A quarta economia da América Latina afundou 9% no terceiro trimestre em comparação com o mesmo período de 2019, embora o colapso tenha sido inferior aos -15,8% registrados entre abril e junho, informou o Departamento Administrativo Nacional de Estatística (Dane) nesta terça-feira (17) em uma apresentação virtual para a imprensa.

O PIB do ano passado cresceu 3,5% entre julho e setembro, mas as projeções positivas para 2020 foram soterradas com a detecção do primeiro caso do covid-19 em março e as medidas de contenção que se seguiram para evitar a propagação do vírus.

Os setores de comércio, transportes, alojamento e alimentação (-20,1%), construção (-26,2%) e mineração (-19,1%) foram os principais responsáveis pela queda da economia neste trimestre.

Agricultura, pecuária, caça, silvicultura e pesca (1,5%), bem como atividades financeiras e de seguros (1,5%) e imobiliário (1,8%), foram os únicos com resultados positivos no período.

Embora o diretor do Dane, Juan Daniel Oviedo, tenha evitado falar em recessão, o atual colapso da economia não acontece desde 1999, quando o PIB encolheu 4,5% devido ao endividamento excessivo dos setores público e privado e crise das hipotecas.

Para o analista Alejandro Useche, professor da escola de administração da Universidade El Rosario de Bogotá, a perspectiva é "extremamente séria".

"É a segunda vez na história econômica da Colômbia" que ocorre uma recessão e, embora "já estejamos vendo sinais de recuperação, eles não são suficientes para virarmos o ano com um crescimento positivo do PIB", disse Useche à AFP.

A Colômbia sofreu a desaceleração da atividade em função das restrições ordenadas pelo governo, que vêm diminuindo após oito meses de emergência sanitária.

Embora a economia esteja se recuperando gradativamente, no acumulado de janeiro a setembro, o PIB despencou 8,1% na comparação com igual período de 2019, segundo o Dane.

Pressionado pela crise econômica, o presidente conservador Iván Duque optou por uma política baseada no autocuidado, no uso obrigatório de máscaras e na abertura gradual de todos os setores, apesar de as infecções e mortes por covid-19 não diminuírem.

Com 50 milhões de habitantes, a Colômbia é o quinto país da região com o maior número de mortes por coronavírus desde o início da pandemia, com mais de 34,2 mil, e o terceiro em infecções, com mais de 1,2 milhão de casos.

lv-jss/yow/cc/mvv