Mercado fechado
  • BOVESPA

    106.296,18
    -1.438,83 (-1,34%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.889,66
    -130,39 (-0,25%)
     
  • PETROLEO CRU

    83,98
    +1,48 (+1,79%)
     
  • OURO

    1.793,10
    +11,20 (+0,63%)
     
  • BTC-USD

    61.142,54
    +45,48 (+0,07%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.453,34
    -49,69 (-3,31%)
     
  • S&P500

    4.544,90
    -4,88 (-0,11%)
     
  • DOW JONES

    35.677,02
    +73,94 (+0,21%)
     
  • FTSE

    7.204,55
    +14,25 (+0,20%)
     
  • HANG SENG

    26.126,93
    +109,40 (+0,42%)
     
  • NIKKEI

    28.804,85
    +96,27 (+0,34%)
     
  • NASDAQ

    15.324,00
    -154,75 (-1,00%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,5808
    -0,0002 (-0,00%)
     

Colômbia e Venezuela buscam reaproximação com canal extraoficial

·3 minuto de leitura

(Bloomberg) -- Autoridades na fronteira com a Colômbia e Venezuela desenvolveram um canal extraoficial de comunicação, contornando o prolongado impasse diplomático entre os dois governos, e negociam o restabelecimento de algumas relações bilaterais.

Most Read from Bloomberg

Representantes dos governos estaduais na região começaram a se reunir há cerca de três meses para discutir temas como o comércio transfronteiriço, segundo três pessoas com conhecimento das negociações que pediram anonimato. As reuniões estabeleceram as bases para a decisão da Venezuela nesta semana de reabrir a fronteira terrestre para fins comerciais.

As negociações são um sinal de que as relações se descongelam lentamente, mesmo que apenas em um nível muito local. Os laços diplomáticos foram rompidos em 2019 depois que a Colômbia se juntou a outras nações, incluindo os EUA, para reconhecer o líder da oposição, Juan Guaidó, como presidente interino da Venezuela.

Os presidentes Iván Duque, da Colômbia, e Nicolás Maduro, da Venezuela, nunca realizaram uma reunião oficial e trocam farpas regularmente. Mas a fronteira de 2.200 quilômetros, que já foi vital para o crescimento em ambos os países, oferece uma abertura para um terreno comum.

Duque e Maduro estão cientes das reuniões na fronteira, mas seus governos não estão diretamente envolvidos, disseram as pessoas. As negociações estão sendo conduzidas por Victor Bautista, que é funcionário do governo para o departamento colombiano de Norte de Santander, e Freddy Bernal, representante de Maduro no estado de Táchira.

Nem Bautista nem Bernal responderam às mensagens com pedido de comentário.

Na terça-feira, Duque disse que a Colômbia, que permitiu acesso de seu lado da fronteira em junho, também está disposta a reabrir consulados na Venezuela, “se houver condições e se houver garantias”. A reabertura da fronteira, acrescentou na quinta-feira, “é um triunfo do povo venezuelano, não do ditador Maduro”. Uma porta-voz da presidência não fez mais comentários.

Maduro também abordou o assunto na noite de quinta-feira.

“Hoje recebi vários telefonemas de empresários colombianos. Recebi mensagens deles e estão prontos para um novo capítulo econômico, comercial e financeiro entre a Colômbia e a Venezuela”, disse à televisão estatal. “Iván Duque não importa para mim, o que importa para mim é o povo colombiano, os empresários colombianos, o Grande Colômbia e seu pai que é nosso pai, Simón Bolívar.”

Grupos empresariais têm pressionado os governos para normalizar o comércio de fronteira desde pelo menos o ano passado para reduzir o contrabando que proliferou desde que a passagem oficial foi fechada, disseram as pessoas.

No pico em 2008, o comércio anual entre os dois países foi de quase US$ 5 bilhões. Mas o valor havia caído para apenas US$ 120 milhões até julho deste ano, de acordo com a agência de estatísticas colombiana DANE. Após interrupções frequentes, muitos exportadores colombianos tiveram que buscar novos mercados para seus produtos.

Embora a Colômbia e a Venezuela sejam cultural e socialmente muito semelhantes, há décadas os laços são tensos devido à presença de grupos guerrilheiros que cruzam a fronteira, narcotráfico e desentendimentos políticos.

Quase 2 milhões de venezuelanos migraram para a Colômbia para escapar das dificuldades econômicas. Embora a Colômbia tenha fornecido apoio a muitos por meio de autorizações que lhes permitem trabalhar legalmente e ter acesso a serviços de saúde, a hostilidade em relação a migrantes venezuelanos também aumentou, especialmente durante a crise econômica de 2020 provocada pela pandemia.

Most Read from Bloomberg Businessweek

©2021 Bloomberg L.P.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos