Mercado fechará em 5 h 12 min
  • BOVESPA

    101.089,51
    +166,62 (+0,17%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    52.283,83
    +358,22 (+0,69%)
     
  • PETROLEO CRU

    68,65
    +1,01 (+1,49%)
     
  • OURO

    1.955,20
    -27,60 (-1,39%)
     
  • Bitcoin USD

    27.972,55
    -38,64 (-0,14%)
     
  • CMC Crypto 200

    612,90
    +7,86 (+1,30%)
     
  • S&P500

    3.983,87
    +32,30 (+0,82%)
     
  • DOW JONES

    32.493,42
    +248,84 (+0,77%)
     
  • FTSE

    7.529,62
    +125,77 (+1,70%)
     
  • HANG SENG

    19.258,76
    +258,05 (+1,36%)
     
  • NIKKEI

    26.945,67
    -388,12 (-1,42%)
     
  • NASDAQ

    12.752,25
    +63,75 (+0,50%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,6367
    +0,0143 (+0,25%)
     

Colírio pode ter deixado 5 pessoas cegas e causado uma morte nos EUA; entenda

Os Centros de Controle e Prevenção de Doenças dos Estados Unidos (CDC) e a FDA, agência que regula medicamentos nos EUA, emitiram alertas aconselhando a população a interromper o uso do colírio lubrificante EzriCare Artificial Tears. As autoridades de saúde investigam se o produto, comercializado sem receita médica, está contaminado por uma bactéria resistente a medicamentos.

'The Last of Us': primeira vacina contra fungos tem resultados positivos em testes iniciais

Depois dos 50 anos: os 3 melhores exercícios para tonificar os braços

O caso ocorreu após o relato de um surto com a bactéria Pseudomonas aeruginosa, resistente a medicamentos. Até 31 de janeiro, 55 pessoas foram infectadas em 12 estados dos EUA. Destas, cinco sofreram perda permanente da visão e uma morte foi relatada.

De acordo com o CDC, a maioria das pessoas afetadas pelo surto usava lágrimas artificiais antes das infecções. Os pacientes relataram o uso de mais de 10 marcas de colírios com essa característica, mas a mais comum foi a EzriCare Artificial Tears. Após o problema, a Global Pharma, fabricante do produto, iniciou o recolhimento voluntário de dois produtos: o EzriCare Artificial Tears e colírio Artificial Tears da Delsam Pharma.

Demência: álcool pode reduzir risco ou aumentá-lo, a depender da quantidade de doses diárias; saiba quanto é benéfico

A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) informou que as empresas Global Pharma Healthcare e Delsam Pharma não são detentoras do registro e nem fabricantes de colírios registrados na Anvisa. Também não houve identificação de notificações de eventos adversos ao produto em questão no Brasil.

Testes de laboratório revelaram a presença de bactérias resistentes a medicamentos em frascos que estavam abertos e em uso por pacientes que apresentaram ou não a infecção. Mas ainda não está claro se essa contaminação ocorreu durante a fabricação ou após a abertura e uso do produto.

A infecção por P. aeruginosa foi associado a infecções no sangue, urina e pulmões. Isso é possível porque o olho se conecta à cavidade nasal através dos canais lacrimais. As bactérias podem se mover da cavidade nasal para os pulmões e outras partes do corpo.

Transição de gênero: Suécia suspende tratamento para menores de idade trans

O cenário se torna ainda mais preocupante porque a cepa associada ao colírio, usado para tratar irritação e ressecamento ocular, é considerada rara devido à sua resistência a várias classes de antibióticos, o que significa que restam poucas opções de tratamento.

A recomendação das autoridades de saúde é que pessoas que apresentam sinais de infecção ocular e que usaram o colírio da EzriCare, devem procurar atendimento médico imediatamente. Os sintomas podem incluir secreção ocular amarela, verde ou clara, vermelhidão do olho ou da pálpebra, aumento da sensibilidade à luz e dor ou desconforto ocular.