Mercado fechará em 1 h 59 min
  • BOVESPA

    111.307,03
    -2.505,84 (-2,20%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    48.512,86
    -216,94 (-0,45%)
     
  • PETROLEO CRU

    90,53
    +0,03 (+0,03%)
     
  • OURO

    1.762,70
    -8,50 (-0,48%)
     
  • BTC-USD

    21.470,46
    -1.832,14 (-7,86%)
     
  • CMC Crypto 200

    510,29
    -31,31 (-5,78%)
     
  • S&P500

    4.234,45
    -49,29 (-1,15%)
     
  • DOW JONES

    33.765,22
    -233,82 (-0,69%)
     
  • FTSE

    7.550,37
    +8,52 (+0,11%)
     
  • HANG SENG

    19.773,03
    +9,12 (+0,05%)
     
  • NIKKEI

    28.930,33
    -11,77 (-0,04%)
     
  • NASDAQ

    13.264,75
    -258,50 (-1,91%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,1963
    -0,0175 (-0,34%)
     

Coinbase: maior corretora cripto dos EUA é investigada por irregularidades

A notícia de que a Comissão de Valores Mobiliários dos Estados Unidos (SEC) está investigando possíveis irregularidades na Coinbase fizeram o preço das ações da corretora de criptomoedas desabar mais de 20% na semana passada. Segundo o órgão fiscalizador dos EUA, a empresa disponibilizou tokens indevidos para negociação na plataforma. Outro caso envolvendo a organização também teve impacto negativo na imagem da companhia, um funcionário foi preso, acusado de insider trading.

O diretor jurídico da corretora cripto, declarou que a empresa não tem em sua lista de ativos, nenhum token irregular. Paul Grewal, publicou no Twitter a seguinte declaração: “Discordamos 100% da afirmação da SEC de que qualquer um dos criptoativos disponíveis são valores mobiliários."

De acordo com Paul Grewal, a empresa antes de disponibilizar os ativos digitais para negociação, segue um procedimento padrão de análise e revisão de todos os tokens.

Grewal explicou que esse processo de análise já foi examinado pela própria SEC, e não foram encontradas irregularidades. Segundo ele, o procedimento de verificação identifica se determinado ativo pode ser considerado um valor mobiliário e se está em conformidade regulatória ao ponto de permitir a listagem na plataforma.

Preços das ações da Coinbase, a maior corretora de criptomoedas despencaram depois que órgão fiscalizador dos EUA acusou a organização de vender tokens irregulares na plataforma (Imagem:Reprodução/Envato/leungchopan)
Preços das ações da Coinbase, a maior corretora de criptomoedas despencaram depois que órgão fiscalizador dos EUA acusou a organização de vender tokens irregulares na plataforma (Imagem:Reprodução/Envato/leungchopan)

“Estamos confiantes que nosso rigoroso processo de análise, que até a própria SEC já revisou, mantém criptoativos indevidos fora de nossa plataforma, esperamos nos reunir com a SEC para debater o assunto”, disse Grewal.

Ações da Coinbase desabam mais de 20%

O anúncio de supostas irregularidades envolvendo os tokens listados na corretora levaram pânico para os investidores da empresa. A Ark Invest, uma organização especializada em investimentos, a terceira maior acionista da Coinbase, vendeu mais de 1,4 milhão de ações da instituição, na terça-feira (26).

O preço das ações da empresa caíram mais de 20%, negociadas a US$ 52,00 (R$ 270,00), isso indica que com as vendas, a Ark Invest arrecadou aproximadamente US$ 75 milhões (R$ 392 milhões).

Caso de Insider Trading na Coinbase

No dia 21 de julho, agentes federais dos Estados Unidos prenderam um ex-funcionário da Coinbase, a investigação acusa Ishan Wahi e o irmão, Nikhil Wahi de cometer o chamado Insider Trading, um esquema fraudulento que se beneficia de informações privilegiadas para negociar no mercado e obter lucro. Segundo as investigações, com a fraude eles e um terceiro envolvido embolsaram cerca de US$ 1,5 milhão (R$ 8,5 milhões).

A apuração revelou que o cargo de confiança de Ishan, que trabalhou na corretora como gerente de produto, lhe dava acesso direto aos nomes dos tokens que seriam lançados pela Coinbase. Com as informações privilegiadas, o ex-funcionário repassava os nomes dos ativos para o irmão e o amigo, que então compravam grandes quantias dos ativos.

Philip Martin, diretor de segurança da Coinbase, declarou que a empresa auxiliou nas investigações. Os irmãos foram presos, o amigo que supostamente participou do esquema, Sameer Ramani, continua foragido.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech:

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos