Mercado fechado
  • BOVESPA

    110.035,17
    -2.221,19 (-1,98%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    44.592,91
    +282,64 (+0,64%)
     
  • PETROLEO CRU

    61,66
    -1,87 (-2,94%)
     
  • OURO

    1.733,00
    -42,40 (-2,39%)
     
  • BTC-USD

    45.462,24
    -2.276,18 (-4,77%)
     
  • CMC Crypto 200

    912,88
    -20,25 (-2,17%)
     
  • S&P500

    3.811,15
    -18,19 (-0,48%)
     
  • DOW JONES

    30.932,37
    -469,64 (-1,50%)
     
  • FTSE

    6.483,43
    -168,53 (-2,53%)
     
  • HANG SENG

    28.980,21
    -1.093,96 (-3,64%)
     
  • NIKKEI

    28.966,01
    -1.202,26 (-3,99%)
     
  • NASDAQ

    12.905,75
    +74,00 (+0,58%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,7583
    +0,0194 (+0,29%)
     

Cochilar durante o dia colabora com a agilidade cerebral, demonstra estudo

Natalie Rosa
·2 minuto de leitura

A sesta, ou siesta, já é uma tradição bastante conhecida em alguns países, como a Espanha. Nela, as pessoas tiram um bom cochilo após o almoço para voltarem renovadas para o segundo período de trabalho. Agora, mais uma vez, os benefícios deste costume foram estudados por cientistas, que descobriram que esses minutos de sono são essenciais para uma melhor agilidade do cérebro.

A pesquisa foi realizada na China com 2.214 pessoas com idades acima de 60 anos, que foram questionadas em relação aos seus hábitos de cochilo. Então, os participantes realizaram algumas séries de testes que mediu os diferentes tipos de habilidades cognitivas, desde a capacidade de se manter focado até à resolução de problemas.

<em>Imagem: Reprodução/pressfoto/Freepik</em>
Imagem: Reprodução/pressfoto/Freepik

Os resultados mostraram que, de acordo com a duração e a frequência dos cochilos, os pontos de desempenho cognitivo foram "significantemente maiores" em pessoas que afirmaram que têm o costume de cochilar na metade do dia. Segundo o estudo, outras pesquisas anteriores já haviam mostrado que as breves dormidas melhoravam a função cognitiva de pessoas mais velhas, enquanto outros mostravam o oposto, o que acaba fazendo com que os resultados ainda fiquem meio confusos.

Neste estudo, os pesquisadores sugerem que, independente do cochilo e a duração dele serem planejados ou não, algo que não chegou a ser medido na pesquisa, são fatores que podem contribuir para o resultado. Mesmo assim, foi determinado que os cochilos dos voluntários duravam entre mais de cinco minutos e menos de duas horas.

<em>Imagem: Reprodução/Free-Photos/Pixabay</em>
Imagem: Reprodução/Free-Photos/Pixabay

Ainda que existam essas limitações, os cientistas dizem que estes tipos de estudo são cruciais para entender como os cochilos funcionam como mediadores entre uma saúde fragilizada com a resposta inflamatória do organismo. As pesquisas acabam relacionando o sono com o sistema imunológico, o que acaba incluindo também os cochilos durante o dia. "Quando ocorre uma doença ou danos nas células, o cochilo pode ajudar a regular a resposta inflamatória", diz a pesquisa.

Até então, os estudos concluem em consenso que, de forma balanceada, o cochilo sempre é bom para o organismo, assim como ter boas noites de sono, de forma geral, são essenciais para manter o corpo ainda mais saudável.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech: