Mercado abrirá em 3 h 33 min
  • BOVESPA

    95.368,76
    -4.236,78 (-4,25%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    37.393,71
    -607,60 (-1,60%)
     
  • PETROLEO CRU

    37,10
    -0,29 (-0,78%)
     
  • OURO

    1.878,10
    -1,10 (-0,06%)
     
  • BTC-USD

    13.166,12
    +10,75 (+0,08%)
     
  • CMC Crypto 200

    260,20
    -12,49 (-4,58%)
     
  • S&P500

    3.271,03
    -119,65 (-3,53%)
     
  • DOW JONES

    26.519,95
    -943,24 (-3,43%)
     
  • FTSE

    5.584,76
    +1,96 (+0,04%)
     
  • HANG SENG

    24.586,60
    -122,20 (-0,49%)
     
  • NIKKEI

    23.331,94
    -86,57 (-0,37%)
     
  • NASDAQ

    11.234,75
    +102,00 (+0,92%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,7277
    -0,0067 (-0,10%)
     

Coca-Cola transfere sede regional da Argentina para o Brasil

SYLVIA COLOMBO
·1 minuto de leitura

BUENOS AIRES, ARGENTINA (FOLHAPRESS) - A Coca-Cola deixará de manter sua sede regional latino-americana em Buenos Aires e irá transferí-la para o Rio de Janeiro. A operação de coordenação das filiais de Peru, Bolívia, Paraguai, Chile passará, assim, da Argentina para o Brasil. A empresa esclareceu que não haverá mudanças na produção, embalagem e distribuição no país, mas que haverá uma reestruturação na organização da administração da empresa, o que pode resultar em um enxugamento da estrutura que opera na Argentina. Um plano de demissões voluntárias já está em curso. A notícia chega na sequência dos anúncios de saída do país de outras empresas estrangeiras, como a Latam Argentina, a rede de lojas de departamentos chilena Falabella e o aplicativo de delivery espanhol Glovo. Falabella e Glovo serão vendidos a compradores nacionais e as marcas sairão do país. A Argentina enfrenta séria crise econômica, que já existia antes da pandemia, com uma inflação de 55% ao ano. A isso, somam-se as consequências da quarentena implementada para combater o coronavírus. Na semana passada, o governo aumentou as restrições para a compra de dólares e implementou novos impostos para gastos nesta moeda.