Mercado abrirá em 3 h 58 min
  • BOVESPA

    111.716,00
    -2.354,00 (-2,06%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    45.395,94
    -928,96 (-2,01%)
     
  • PETROLEO CRU

    78,49
    -0,25 (-0,32%)
     
  • OURO

    1.652,90
    -2,70 (-0,16%)
     
  • BTC-USD

    19.253,28
    +168,96 (+0,89%)
     
  • CMC Crypto 200

    440,56
    -3,98 (-0,89%)
     
  • S&P500

    3.693,23
    -64,76 (-1,72%)
     
  • DOW JONES

    29.590,41
    -486,29 (-1,62%)
     
  • FTSE

    7.004,97
    -13,63 (-0,19%)
     
  • HANG SENG

    17.855,14
    -78,13 (-0,44%)
     
  • NIKKEI

    26.431,55
    -722,28 (-2,66%)
     
  • NASDAQ

    11.388,75
    +12,00 (+0,11%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,0738
    -0,0238 (-0,47%)
     

Coca-Cola anuncia sua primeira bebida alcoólica

Pixabay
Pixabay

Pela primeira vez em 132 anos, a Coca-Cola vai lançar uma bebida alcoólica. A empresa anunciou nesta semana que vai produzir uma bebida tradicional japonesa, conhecida como Chu-Hi, que tem entre seus ingredientes um destilado chamado shochu e tem teor de álcool entre 3% e 8%, mais ou menos como a cerveja.

Por suas características regionais, a novidade estará disponível apenas no Japão. Nos últimos anos, as vendas da bebida aumentaram consideravelmente no país, principalmente entre as mulheres. “Ainda não temos experiência em produtos com álcool, mas esse é um exemplo de como podemos continuar a explorar oportunidades fora de nossas áreas-chaves”, explicou Jorge Garduno, presidente da Coca-Cola no Japão, à BBC.

Mercado

A decisão da maior produtora de refrigerantes do mundo em apostar em um novo tipo de bebida acontece em um momento marcado pelo declínio nas vendas das bebidas gasosas e açucaradas. Em alguns países, a empresa tem enfrentado a cobrança de impostos em produtos que possuem açúcar e podem prejudicar a saúde.

“Acho que a decisão mostra como a mudança dos gostos dos consumidores obriga a empresa a atuar em áreas menos familiares, como produtos lácteos premium, café, chá e agora bebidas com baixo teor de álcool. Embora eu não acredite que isso representa uma mudança global na estratégia da empresa, acho que podemos esperar que ela e seus concorrentes continuem buscando novas oportunidades”, aponta Howard Telford, diretor de refrigerantes da Euromonitor International, empresa de pesquisas sobre o setor, ao The Guardian.