Mercado abrirá em 9 h 20 min
  • BOVESPA

    120.636,39
    -605,24 (-0,50%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    45.495,41
    -962,61 (-2,07%)
     
  • PETROLEO CRU

    53,22
    +0,24 (+0,45%)
     
  • OURO

    1.847,70
    +7,50 (+0,41%)
     
  • BTC-USD

    36.040,30
    -194,94 (-0,54%)
     
  • CMC Crypto 200

    715,50
    +0,31 (+0,04%)
     
  • S&P500

    3.798,91
    +30,66 (+0,81%)
     
  • DOW JONES

    30.930,52
    +116,26 (+0,38%)
     
  • FTSE

    6.712,95
    -7,70 (-0,11%)
     
  • HANG SENG

    29.964,28
    +322,00 (+1,09%)
     
  • NIKKEI

    28.500,79
    -132,67 (-0,46%)
     
  • NASDAQ

    13.044,25
    +58,75 (+0,45%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,5065
    +0,0079 (+0,12%)
     

Mulher encontra cobra na cadeira de rodas da sogra após enchente no litoral de SP

·1 minuto de leitura
Animal deu susto nos moradores do litoral paulista — Foto: Arquivo Pessoal
Animal deu susto nos moradores do litoral paulista — Foto: Arquivo Pessoal

Uma mulher no litoral de São Paulo levou um susto após uma enchente na cidade de Itanhaém, na última terça-feira. Ela encontrou uma cobra, trazida pela água, na cadeira de rodas da sogra de 85 anos, que estava acamada.

Lucilene Aparecida Silva, de 44 anos, contou ao G1 que avistou o animal depois que as fortes chuvas que ocorreram na região fizeram a água chegar até sua casa. Com medo que a sogra fosse picada, ela mesma matou a cobra.

Leia também

"Quando eu vi, fiquei assustada e preocupada com ela (sogra). Só peguei o que estava perto de mim e a matei, já que minha sogra estava agitada, e o animal de frente para ela", declarou.

Lucilene explicou que a falta de pavimentação e limpeza na Avenida da França, onde vive, faz com que bichos apareçam constantemente no local, especialmente em dias de enchente. Ela garantiu que já passou por situações semelhantes e esperou uma equipe ambiental resgatar o animal. Desta vez, porém, se viu sem alternativa diante da gravidade da situação e da quantidade de água na rua.

"A natureza é assim, os animais podem aparecer, mas não tive saída, não dava tempo de ver se era venenosa ou não", considerou.