COB reduz suspensão de Wallace de 5 anos para 90 dias

Wallace em quadra pela seleção brasileira no Mundial de Vôlei masculino de 2022.
Wallace em quadra pela seleção brasileira no Mundial de Vôlei masculino de 2022.

O Comitê Olímpico do Brasil (COB) reduziu de cinco anos para 90 dias a suspensão do oposto Wallace, medalha de ouro com a seleção brasileira masculina de vôlei nos Jogos do Rio em 2016, imposta por incitar a violência contra o presidente Luiz Inácio Lula da Silva.

A medida, tomada na segunda-feira (15), é resultado de um acordo entre o jogador, o Conselho de Ética do COB, a Confederação Brasileira de Voleibol (CBV) e a Advocacia Geral da União (AGU), informou o comitê olímpico em um comunicado.

Também foi reduzida de cinco para um ano a proibição de representar a seleção brasileira, da qual Wallace, de 35 anos, se aposentou em 2022.

Em janeiro deste ano, o jogador publicou em sua conta no Instagram uma foto sua em um clube de tiro com uma enquete para seus mais de 350 mil seguidores sobre atirar no presidente Lula.

A publicação gerou polêmica, o governo pediu punição e Wallace, embora tenha se desculpado e apagado a postagem, foi suspenso pelo COB por 90 dias a partir de 3 de fevereiro.

Mas amparado por uma decisão do Superior Tribunal de Justiça Desportiva do Vôlei (STJDV), ele disputou com o Cruzeiro a final da Superliga masculina no dia 30 de abril, quando a suspensão ainda estava em vigor.

O COB deslegitimou a autorização do STJDV e considerou que tanto o atleta como a CBV desobedeceram a suspensão, aumentando a punição no início de maio para ambas as partes.

A sanção colocava em risco a participação das seleções de vôlei do Brasil nos Jogos Olímpicos de Paris 2024 e em outras competições internacionais.

O acordo para reduzir a suspensão se deu justamente para evitar dificuldades na preparação do ciclo olímpico e obriga a CBV a financiar um "programa de valorização da postura ética de atletas nas redes sociais".

raa/app/cb/aam