Mercado fechado
  • BOVESPA

    111.923,93
    +998,33 (+0,90%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.234,37
    -223,18 (-0,43%)
     
  • PETROLEO CRU

    80,34
    -0,88 (-1,08%)
     
  • OURO

    1.797,30
    -3,80 (-0,21%)
     
  • BTC-USD

    16.964,41
    -35,39 (-0,21%)
     
  • CMC Crypto 200

    404,33
    +2,91 (+0,72%)
     
  • S&P500

    4.071,70
    -4,87 (-0,12%)
     
  • DOW JONES

    34.429,88
    +34,87 (+0,10%)
     
  • FTSE

    7.556,23
    -2,26 (-0,03%)
     
  • HANG SENG

    18.675,35
    -61,09 (-0,33%)
     
  • NIKKEI

    27.777,90
    -448,18 (-1,59%)
     
  • NASDAQ

    11.979,00
    -83,75 (-0,69%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,4940
    +0,0286 (+0,52%)
     

CNT pede atuação da Polícia Federal e apreensão de caminhões

BRASÍLIA, DF (FOLHAPRESS) - A CNT (Confederação Nacional dos Transportes) pediu ao STF (Supremo Tribunal Federal) nesta terça-feira (1º) que a PF (Polícia Federal) identifique os "líderes e principais proprietários" dos veículos usados na interdição de rodovias.

A suspeita é de participação de empresários na organização dos protestos de cunho golpista que contestam a vitória de Luiz Inácio Lula da Silva (PT).

Nesta segunda (31), o ministro Alexandre de Moraes determinou que a PRF (Polícia Rodoviária Federal) e as Polícia Militares identifiquem os caminhões e apliquem multa de R$ 100 mil por hora. A CNT argumenta que a atuação da PF pode tornar a decisão de Moraes mais efetiva.

A confederação também quer que o ministro autorize as polícias a apreenderem os veículos por "estarem servindo como instrumento de crime contra o Estado Democrático de Direito". A entidade requer, por fim, que as empresas identificadas na organização dos bloqueios tenham suas garagens lacradas.

"As medidas a serem adotadas devem se ater a restaurar a ordem pública, superar a omissões de autoridades públicas e responsabilizar aqueles que atuam contra a democracia brasileira", escreveu a entidade no pedido enviado ao Supremo.

A decisão liminar de Moraes foi avaliada pelo plenário virtual do STF e confirmada pela maioria dos ministros minutos depois, de madrugada. Nesta terça, o ministro afirmou que os policiais militares podem atuar "independentemente do lugar", inclusive em rodovias federais.

Após a decisão, governadores de ao menos seis estados determinaram a liberação das estradas. Os bloqueios já afetam o setor de carnes e leite, além do abastecimento de supermercados e postos de combustíveis.

Nesta segunda, a CNT afirmou em nota que é contra "esse tipo de intervenção" em rodovias e que respeita o direito de manifestação de todo cidadão, desde que ele não prejudique o direito de ir e vir das pessoas.

"Além de transtornos econômicos, paralisações geram dificuldades para locomoção de pessoas, inclusive enfermas, além de dificultar o acesso do transporte de produtos de primeira necessidade da população, como alimentos, medicamentos e combustíveis", disse.

"Nesse sentido, a CNT tem convicção de que as autoridades garantirão a circulação de pessoas e de bens por todo o País com segurança, entendendo que qualquer tipo de bloqueio não contribui para as atividades do setor transportador e, consequentemente, para o desenvolvimento do Brasil."