Mercado fechado
  • BOVESPA

    114.647,99
    +1.462,52 (+1,29%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    52.798,38
    +658,14 (+1,26%)
     
  • PETROLEO CRU

    82,66
    +1,35 (+1,66%)
     
  • OURO

    1.768,10
    -29,80 (-1,66%)
     
  • BTC-USD

    61.792,93
    +2.163,87 (+3,63%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.464,06
    +57,32 (+4,07%)
     
  • S&P500

    4.471,37
    +33,11 (+0,75%)
     
  • DOW JONES

    35.294,76
    +382,20 (+1,09%)
     
  • FTSE

    7.234,03
    +26,32 (+0,37%)
     
  • HANG SENG

    25.330,96
    +368,37 (+1,48%)
     
  • NIKKEI

    29.068,63
    +517,70 (+1,81%)
     
  • NASDAQ

    15.144,25
    +107,00 (+0,71%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3297
    -0,0741 (-1,16%)
     

CNN suspende novos conteúdos em suas páginas do Facebook na Austrália

·1 minuto de leitura
CNN bloqueia acesso a sua página no Facebook após decisão da Justiça australiana (AFP/Chris DELMAS)

A rede de televisão norte-americana CNN parou de publicar conteúdo em suas páginas do Facebook na Austrália nesta quinta-feira (30), depois que um tribunal determinou que os grupos de imprensa são responsáveis pelos comentários difamatórios relacionados a suas matérias nesta rede social.

Ao se tentar acessar as páginas da CNN no Facebook, os usuários australianos viram uma mensagem aparecer em suas telas, informando que o conteúdo estava limitado a partir de hoje.

No início de setembro, o Tribunal Superior da Austrália confirmou uma sentença, segundo a qual os veículos de comunicação são responsáveis pelos comentários dos usuários em suas postagens. Com isso, ficam passíveis de serem processados, no âmbito da estrita legislação australiana sobre difamação.

Na quarta-feira (28), a emissora americana disse ter pedido ao Facebook que ajudasse os editores a desativar os comentários em sua plataforma na Austrália, mas que o gigante das redes sociais "decidiu não fazer isso".

"É decepcionante que o Facebook tenha fracassado, mais uma vez, em fazer de sua plataforma um lugar confiável para jornalismo e para a interação produtiva dos usuários sobre as notícias", afirmou um porta-voz da CNN, em um comunicado.

O caso foi levado à Justiça por Dylan Voller, um ex-detento indígena. Ele alegou que os editores dos veículos Sydney Morning Herald, The Australian e Sky News eram responsáveis pelos comentários difamatórios sobre ele em suas páginas no Facebook.

Os meios de comunicação em questão argumentaram, sem sucesso, que não eram responsáveis pelos comentários, mas a mais alta instância da Justiça australiana determinou que poderiam, se desejassem, ocultar, ou bloquear, os comentários difamatórios.

A legislação australiana em matéria de difamação é complexa e está entre as mais rígidas do mundo.

hr/arb/juf/meb/bl/tt/tt

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos