Mercado fechará em 6 h 36 min
  • BOVESPA

    122.545,71
    +744,92 (+0,61%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.868,32
    -766,28 (-1,48%)
     
  • PETROLEO CRU

    73,25
    -0,70 (-0,95%)
     
  • OURO

    1.812,00
    -5,20 (-0,29%)
     
  • BTC-USD

    39.301,55
    -2.123,41 (-5,13%)
     
  • CMC Crypto 200

    959,27
    +9,37 (+0,99%)
     
  • S&P500

    4.395,26
    -23,89 (-0,54%)
     
  • DOW JONES

    34.935,47
    -149,03 (-0,42%)
     
  • FTSE

    7.077,10
    +44,80 (+0,64%)
     
  • HANG SENG

    26.235,80
    +274,77 (+1,06%)
     
  • NIKKEI

    27.781,02
    +497,43 (+1,82%)
     
  • NASDAQ

    15.027,25
    +71,50 (+0,48%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,0995
    -0,0885 (-1,43%)
     

CNN prepara serviço de streaming nos EUA

·1 minuto de leitura

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - A rede de canais de notícias CNN anunciou nesta segunda (19) que irá lançar uma plataforma de streaming no primeiro trimestre de 2022.

Inicialmente, a assinatura estará disponível apenas nos Estados Unidos, com previsão de expansão para mais países. O preço para acesso à plataforma ainda não foi divulgado.

Chamado CNN+, o serviço terá de 8 a 12 horas de transmissões ao vivo por dia, com conteúdo distinto do oferecido pelos canais de televisão da rede.

A plataforma também vai exibir filmes e séries do catálogo da empresa e produções originais. Os primeiros títulos devem ser anunciados ainda neste ano.

A empresa promete oferecer aos assinantes do CNN+ uma comunidade para interação entre espectadores, âncoras e especialistas em tempo real. Também diz que o serviço irá explorar a oportunidade de tratar de temas como mudanças climáticas, ciência, raça e identidade com profundidade.

A companhia conta atualmente com 4.500 funcionários. Estão sendo contratadas mais 450 pessoas para o lançamento da nova plataforma, segundo nota divulgada pela CNN.

A opção por criar produções próprias para o novo serviço tem entre suas motivações os acordos que a CNN possui com provedoras de serviço de TV a cabo, o que impede que ela disponibilize o conteúdo e concorra com suas atuais parceiras comerciais.

Em nota, Jeff Zucker, presidente do conselho de administração da WarnerMedia News and Sports e presidente da CNN Worldwide, disse que a rede inventou o serviço de notícias a cabo nos anos 1980, definiu o noticiário online em 1995 e agora expande o consumo de notícias ao lançar um serviço direto ao consumidor por assinatura.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos