Mercado abrirá em 10 mins
  • BOVESPA

    95.368,76
    -4.236,78 (-4,25%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    37.393,71
    -607,60 (-1,60%)
     
  • PETROLEO CRU

    35,87
    -1,52 (-4,07%)
     
  • OURO

    1.875,70
    -3,50 (-0,19%)
     
  • BTC-USD

    13.129,95
    -33,44 (-0,25%)
     
  • CMC Crypto 200

    259,26
    -13,43 (-4,93%)
     
  • S&P500

    3.271,03
    -119,65 (-3,53%)
     
  • DOW JONES

    26.519,95
    -943,24 (-3,43%)
     
  • FTSE

    5.588,00
    +5,20 (+0,09%)
     
  • HANG SENG

    24.586,60
    -122,20 (-0,49%)
     
  • NIKKEI

    23.331,94
    -86,57 (-0,37%)
     
  • NASDAQ

    11.198,50
    +65,75 (+0,59%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,7117
    -0,0227 (-0,34%)
     

CNI alerta para insuficiência de recursos e financiamento para indústria 4.0

Juliano Basile
·6 minutos de leitura

Avaliação foi feita com empresas de diversos portes, nacionais e internacionais Pixabay A Confederação Nacional da Indústria (CNI) concluiu um estudo que foi elaborado com base em entrevistas com empresários revelando que a insuficiência de recursos próprios e financiamentos adequados é um dos principais entraves para o desenvolvimento da chamada indústria 4.0 no Brasil. Essa avaliação foi feita com empresas de diversos portes, nacionais e internacionais. Ela trata dos gargalos e também apresenta perspectivas e soluções para o desenvolvimento da indústria 4.0 no Brasil. Entre as propostas, a CNI deu destaque para a sensibilização dos representantes das empresas e a criação de financiamentos atrativos específicos para a implementação de soluções tecnológicas. Na avaliação técnica da entidade, a abertura de linhas como a BNDES Crédito Serviços 4.0, pelo Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), e a Inovacred 4.0, lançada pela Finep, representam um avanço. “As principais nações industrializadas inseriram o desenvolvimento da Indústria 4.0 no centro de suas estratégias de política industrial para preservar e aumentar sua competitividade. O Brasil precisa fazer o mesmo”, afirmou o diretor de desenvolvimento industrial da CNI, Carlos Eduardo Abijaodi. “A capacidade da indústria brasileira competir internacionalmente dependerá da nossa habilidade de promover essa transformação”, completou. A crise gerada pela pandemia do novo coronavírus tornou o processo ainda mais urgente, diz. A CNI ainda constatou que grandes empresas e multinacionais também têm dificuldade para implementar a indústria 4.0. Os resultados deste estudo confirmaram a hipótese inicial segundo a qual as empresas de menor porte encontram-se mais atrasadas no processo de implantação da Indústria 4.0. Mesmo entre as grandes, no entanto, 42,1% das entrevistadas não haviam iniciado o processo de incorporação de tecnologias nos seus processos. “Elas conseguiram manter competitividade com base em outros ativos que não a eficiência produtiva e a competência no campo da tecnologia. Apesar disso, é sempre incerto garantir que essa situação se mantenha em um cenário produtivo e em um ambiente competitivo distintos como os que se desenham no momento atual para a atividade industrial brasileira”, informou o relatório técnico da CNI. Essa verificação destaca ainda que a origem do capital das empresas não é fator determinante para a implementação de novas tecnologias. O percentual das estrangeiras que não implementaram projetos da Indústria 4.0 é de 40% e assim é muito próximo do registrado nas empresas nacionais, de 50%. Entre as empresas multinacionais entrevistadas, foi comum encontrar aquelas que não tinham autonomia decisória e que consideravam sua situação tecnológica atrasada em relação a outras unidades do grupo. “Uma situação contraditória em que a multinacional tem mais acesso à tecnologia e vantagens decorrentes de pertencer a um grupo econômico mais complexo, mas padece pela importância, geralmente subordinada da unidade brasileira dentro da corporação industrial”, avalia a CNI. Ainda foi verificado que a busca de produtividade no chão de fábrica é a principal motivação da indústria 4.0. Isso porque essa área tem como uma das principais características a incorporação da digitalização à atividade industrial, integrando tecnologias físicas e virtuais. Entre as principais tecnologias, destacam-se big data, a robótica avançada, a computação em nuvem, a impressão 3D, a inteligência artificial, os sistemas de conexão das máquinas, os sensores, os atuadores e os softwares de gestão avançada da produção. O estudo da CNI revela também que a indústria 4.0 entra nas empresas principalmente pela automação da produção tendo como a busca pelo aumento da produtividade a sua principal motivação. Outra motivação relevante é a redução de custos de energia, de outros insumos industriais ou com manutenção e ociosidade de máquinas. De acordo com o levantamento, a introdução das tecnologias da indústria 4.0 tende a ocorrer em maior frequência em algumas fases do processo produtivo. “Outros ganhos que a Indústria 4.0 pode apresentar, como flexibilidade de processos produtivos, integração com outros elos das cadeias produtivas, inovações de produto, redução de tempo no desenvolvimento de produtos, entre outros, não foram apontados como motivadores dos projetos 4.0”, apontou a CNI. Já as linhas de crédito e sensibilização foram descritas como fundamentais para o desenvolvimento da indústria 4.0. Com base nas restrições apontadas pelos executivos entrevistados para a implementação dessa indústria 4.0, os especialistas recomendam a sensibilização dos empresários e a disponibilização de linhas de crédito especiais para a implementação de novas tecnologias ao setor produtivo. Entre as ações objetivas recomendadas, está a divulgação de cases de adoção das tecnologias habilitadoras da Indústria 4.0 para mostrar aos empresários os ganhos concretos com o investimento, a promoção de eventos de informação sobre a Indústria 4.0 para executivos em cargos de direção de empresas do setor industrial, o estímulo ao desenvolvimento de planos empresariais estratégicos de digitalização para, por meio do planejamento haver direcionamento dos investimentos de forma correta e de acordo com objetivos claros e a concessão de financiamento de baixo custo para a demanda de soluções tecnológicas no padrão da Indústria 4.0. Nesse contexto, na avaliação técnica da CNI, a implementação da linha Inovacred 4.0, da Finep, no fim de 2019, representou um avanço. Executado com o apoio de 25 parceiros regionais, hoje ela representa um dos principais programas de financiamento à inovação em micro, pequenas e médias empresas do Brasil. O piloto começou este ano, tem nove projetos na cartela, num total de R$ 7 milhões contratados, de 200 milhões disponíveis. Na mesma direção, está o financiamento BNDES crédito serviço 4.0. Com carência de até 24 meses e prazo de até 120 meses, a linha vai ser operada de forma indireta via parceiros ou pelo BNDES online e pode arcar com até 100% dos custos de implementação da indústria 4.0 com 30% de capital de giro associado. Esse estudo da CNI buscou construir um quadro analítico sobre as motivações, impactos gerados ou potenciais, capacitações existentes nas empresas, restrições à adoção e sugestões de ações relativas à difusão das tecnologias da Indústria 4.0 na indústria brasileira. O levantamento foi feito com base em 24 entrevistas presenciais com gerentes e diretores de empresas do setor industrial. O modelo usado foi o qualitativo, que teve como critérios para constituir a amostra a atividade industrial das empresas, o tamanho das empresas e a origem do capital — nacional ou estrangeiro. Para a caracterização do tamanho da indústria foi levado em consideração o faturamento, sendo microempresas aquelas com receita operacional bruta anual ou renda anual menor ou igual a R$ 360 mil; pequenas, as que faturam de R$ 360 mil a R$ 4,8 milhões; as médias, de R$ 4,8 milhões a R$ 300 milhões; e as grandes, mais de R$ 300 milhões.