Mercado fechará em 3 h 55 min
  • BOVESPA

    103.415,43
    +1.499,98 (+1,47%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.383,69
    +684,97 (+1,38%)
     
  • PETROLEO CRU

    68,00
    +1,82 (+2,75%)
     
  • OURO

    1.790,80
    +14,30 (+0,80%)
     
  • BTC-USD

    58.646,88
    +153,76 (+0,26%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.501,01
    +31,93 (+2,17%)
     
  • S&P500

    4.630,03
    +63,03 (+1,38%)
     
  • DOW JONES

    34.822,49
    +338,77 (+0,98%)
     
  • FTSE

    7.126,94
    +67,49 (+0,96%)
     
  • HANG SENG

    23.658,92
    +183,66 (+0,78%)
     
  • NIKKEI

    27.935,62
    +113,86 (+0,41%)
     
  • NASDAQ

    16.311,25
    +160,75 (+1,00%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3721
    +0,0021 (+0,03%)
     

CNC: endividamento das famílias cresce menos em outubro

·1 min de leitura

O número de famílias brasileiras com dívidas continuou crescendo em outubro e chegou a 74,6%, segundo a Pesquisa de Endividamento e Inadimplência do Consumidor (Peic), divulgada hoje (4) pela Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC).

O levantamento mostra que o ritmo de crescimento do endividamento diminuiu e que a alta de outubro foi de 0,6 ponto percentual em relação a setembro. Mesmo assim, o aumento foi a 11ª alta mensal consecutiva.

A CNC avalia que a alta recente dos juros reduziu a contratação de dívidas em outubro e fez o indicador ter um acréscimo abaixo dos últimos meses, quando apresentava aumento, em média, de 1,5 ponto.

Já frente a outubro de 2020, o percentual de famílias endividadas é 8,1 pontos maior em 2021, fazendo desse o segundo maior crescimento anual da série histórica.

O percentual de famílias com dívidas ou contas em atraso atingiu 25,6%, segundo a CNC, o que representa 0,1 ponto acima do registrado em setembro de 2021 e 0,5 ponto abaixo de outubro de 2020.

Já a parcela das famílias que declarou não ter condições de pagar contas ou dívidas caiu de 10,3% para 10,1% na passagem mensal e 1,8 ponto na comparação anual.

Em texto divulgado pela confederação, o presidente da CNC, José Roberto Tadros, considera que o relativo controle da taxa de inadimplência diante do cenário econômico "é impressionante".

"A inflação corrente elevada e disseminada tem deteriorado os orçamentos domésticos e diminuído o poder de compra das famílias, em especial as na faixa de menor renda. Os números demonstram os esforços em manter os compromissos financeiros em dia, com renegociação e melhor controle dos gastos”, avalia.

Ouça na Radioagência Nacional


Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos