Mercado fechará em 6 h 32 min
  • BOVESPA

    122.722,46
    -854,10 (-0,69%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.633,91
    +764,43 (+1,50%)
     
  • PETROLEO CRU

    68,65
    -1,91 (-2,71%)
     
  • OURO

    1.834,40
    +20,30 (+1,12%)
     
  • BTC-USD

    39.008,57
    +551,94 (+1,44%)
     
  • CMC Crypto 200

    954,38
    +10,94 (+1,16%)
     
  • S&P500

    4.423,15
    +35,99 (+0,82%)
     
  • DOW JONES

    35.116,40
    +278,24 (+0,80%)
     
  • FTSE

    7.113,29
    +7,57 (+0,11%)
     
  • HANG SENG

    26.426,55
    +231,73 (+0,88%)
     
  • NIKKEI

    27.584,08
    -57,75 (-0,21%)
     
  • NASDAQ

    15.027,00
    -19,25 (-0,13%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,1659
    +0,0004 (+0,01%)
     

Clima mudou tamanho das células e até do cérebro humano ao longo dos séculos

·1 minuto de leitura

Um novo estudo liderado pelas Universidades de Cambridge (Inglaterra) e Tübingen (Alemanha) revela que o tamanho médio do corpo dos humanos flutuou significativamente nos últimos milhões de anos, com corpos maiores evoluindo em regiões mais frias.

Para chegar a essa conclusão, a equipe reuniu medidas do tamanho do corpo e do cérebro para mais de 300 fósseis do gênero Homo encontrados em todo o mundo. Ao combinar esses dados com uma reconstrução dos climas regionais do mundo nos últimos milhões de anos, eles identificaram o clima específico experimentado por cada fóssil quando era um ser humano vivo.

Os pesquisadores anunciaram que o corpo maior atua como um amortecedor contra as temperaturas mais frias, uma vez que menos calor é perdido de um corpo quando sua massa é grande em relação à sua área de superfície.

Clima mudou tamanho das células e até do cérebro ao longo dos séculos (Imagem: microgen/envato)
Clima mudou tamanho das células e até do cérebro ao longo dos séculos (Imagem: microgen/envato)

“Nosso estudo indica que o clima tem sido o principal impulsionador das mudanças no tamanho do corpo nos últimos milhões de anos”, explicou a professora Andrea Manica, pesquisadora do Departamento de Zoologia da Universidade de Cambridge, que liderou o estudo.

"Podemos ver pelas pessoas que vivem hoje que aqueles que vivem em climas mais quentes tendem a ser menores, e aqueles que vivem em climas mais frios tendem a ser maiores. Agora sabemos que as mesmas influências climáticas estiveram em ação nos últimos milhões de anos", acrescentou a pesquisadora. O estudo completo pode ser acessado aqui.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech:

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos