Mercado abrirá em 1 h 30 min
  • BOVESPA

    120.061,99
    -871,79 (-0,72%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    48.867,62
    +338,65 (+0,70%)
     
  • PETROLEO CRU

    60,96
    -0,39 (-0,64%)
     
  • OURO

    1.787,90
    -5,20 (-0,29%)
     
  • BTC-USD

    55.095,54
    -193,25 (-0,35%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.275,90
    +12,93 (+1,02%)
     
  • S&P500

    4.173,42
    +38,48 (+0,93%)
     
  • DOW JONES

    34.137,31
    +316,01 (+0,93%)
     
  • FTSE

    6.906,34
    +11,05 (+0,16%)
     
  • HANG SENG

    28.755,34
    +133,42 (+0,47%)
     
  • NIKKEI

    29.188,17
    +679,62 (+2,38%)
     
  • NASDAQ

    13.905,00
    -14,25 (-0,10%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,6502
    -0,0518 (-0,77%)
     

Clima frio afeta vendas no varejo e produção fabril nos EUA

·3 minuto de leitura
Montagem de turbinas em fábrica da GE no Estado norte-americano de Indiana

WASHINGTON (Reuters) - As vendas no varejo dos Estados Unidos caíram mais do que o esperado em fevereiro em meio ao clima extremamente frio em todo o país, mas uma recuperação é provável conforme o governo desembolsa outra rodada de dinheiro para alívio da pandemia, principalmente para famílias de baixa e média renda.

O tempo severo também prejudicou a produção nas fábricas no mês passado, com a onda de frio no Texas e em outras partes do Sul deixando algumas refinarias de petróleo, instalações petroquímicas e fábricas de resina plástica fora de serviço.

Mas o revés provavelmente é temporário.

"Com dias mais saudáveis ​​e quentes se aproximando e generosos cheques de estímulo a caminho, os consumidores estão prontos para se livrar dos calafrios do inverno", disse Lydia Boussour, economista-chefe da Oxford Economics, em Nova York.

"Neste ano, esperamos que a combinação de uma situação de saúde melhor e um estímulo fiscal generoso alimente um boom de consumo digno de livros de história."

As vendas no varejo caíram 3,0% no mês passado, informou o Departamento de Comércio. Economistas ouvidos pela Reuters previam que as vendas no varejo cairiam apenas 0,5% em fevereiro.

Os dados de janeiro foram revisados fortemente para cima, e as vendas se recuperaram 7,6%, em vez da taxa de 5,3% divulgada anteriormente.

Um frio mais severo do que o esperado para a época atingiu o país em fevereiro, com tempestades de neve mortais sobre o Texas. A queda nas vendas no mês passado também refletiu a perda de impulso dos efeitos dos cheques únicos de 600 dólares para as famílias norte-americanas, que fizeram parte de quase 900 bilhões de dólares em estímulos fiscais adicionais aprovados no final de dezembro. O atraso na restituição de impostos também pesou.

Excluindo automóveis, gasolina, materiais de construção e serviços alimentícios, as vendas no varejo caíram 3,5% no mês passado, após alta revisada de 6,0% para 8,7% em janeiro.

O chamado núcleo das vendas de varejo corresponde mais intimamente ao componente de gastos do consumidor do Produto Interno Bruto (PIB).

A perspectiva econômica otimista não foi prejudicada por um relatório divulgado pelo Federal Reserve nesta terça-feira mostrando que a produção nas fábricas caiu 3,1% em fevereiro, também afetada pela escassez global de semicondutores por causa da pandemia.

"Embora esperemos que essas interrupções no fornecimento sejam temporárias, a produção de automóveis pode permanecer fraca no curto prazo", disse Veronica Clark, economista do Citigroup em Nova York.

"Com novos estímulos fiscais substanciais para apoiar a demanda por bens de consumo nos próximos meses, as interrupções na oferta podem levar a aumento dos preços."

As restrições de oferta devido a medidas para conter o coronavírus estão elevando os preços das commodities.

Um terceiro relatório, desta vez do Departamento de Trabalho, mostrou que os preços de importação subiram 1,3% no mês passado, após alta de 1,4% em janeiro. Eles saltaram 3,0% em uma base anual, após alta de 1,0% em janeiro.

(Por Lucia Mutikani)